Calendário de Eventos

DOM SEG TER QUA QUI SEX SÁB
30 5 6
15 17
21 22 27
30 1 2 3 4
Mês Anterior
         
Mês Seguinte
SOL 01 SOL 02 SOL 03 SOL 04 SOL 05 SOL 06 SOL 07 SOL 08 SOL 09

CANCRO E ACTIVIDADE FÍSICA

É importante que uma pessoa com cancro tenha cuidados adicionais no seu dia-a-dia, nomeadamente fazer uma alimentação saudável e equilibrada, praticar exercício físico (desde que não haja contra-indicação médica) e, dentro do possível, manter as actividades diárias.

Quanto à alimentação, o organismo precisa de calorias suficientes para manter um peso adequado, bem como proteínas, para manter a força; comer bem pode ajudar a sentir-se melhor e a ter mais energia.

A atividade física é uma parte importante de uma vida saudável, independentemente da idade. Qualquer que seja o momento em que se inicia a atividade física, ela melhora sempre a saúde. Mesmo pessoas que iniciaram a prática de alguma atividade física mais tarde na sua vida parecem ter muitos dos benefícios para a saúde que as pessoas que sempre foram fisicamente ativas.

Ser mais fisicamente ativo do que o habitual, independentemente do nível de atividade, pode ter, assim, benefícios significativos para a saúde.

Atualmente não existe qualquer dúvida de que o excesso de gordura corporal, consumir muitas calorias e a falta de exercício físico estão associados a um risco aumentado de desenvolver muitos tipos de cancro, incluindo o cancro do esófago, colo-rectal, mama, útero e rim.

Aproximadamente 1/3 de todas as mortes por cancro estão relacionadas com a dieta e atividade física. Por exemplo, o excesso de peso, obesidade e a inatividade física, conjuntamente, são responsáveis por cerca de 159 mil mortes por cancro colo-retal todos os anos e por cerca de 88 mil mortes por cancro da mama. Os estudos têm evidenciado, a este respeito, que 26% das mortes por cancro colo-retal e 19% das mortes por cancro da mama são atribuídas a um aumento excessivo de peso e à inatividade física.

Ser fisicamente ativo pode ajudar a reduzir o risco de cancro, ao ajudar a controlar o peso. Este aspeto é importante na medida em que ter peso excessivo ou ser obeso conduz normalmente o organismo a produzir e a fazer circular mais estrogénios e insulina, hormonas estas que podem estimular o crescimento do cancro. Por sua vez, a atividade física pode ajudar também a melhorar os níveis hormonais e o modo como funciona o sistema imunológico.

As recomendações a respeito da prática de exercício físico apontam para a importância de realizar uma atividade física de intensidade moderada pelo menos cerca de 150 minutos por semana ou 75 minutos se a atividade for mais intensa. Para as crianças, as recomendações são de pelo menos 60 minutos de atividade física moderada ou mais vigorosa, todos os dias, devendo as atividades mais intensas ocorrer pelo menos 3 vezes por semana.

Importa ainda evitar o comportamento sedentário, tal como passar muito tempo sentado, deitado ou a ver televisão, por exemplo.

O exercício físico não só é importante para reduzir o risco de desenvolver cancro, como também poderá ter benefícios para as pessoas que se encontram a receber tratamentos para esta doença ou que são sobreviventes. A este respeito, os estudos realizados sugerem fortemente que a prática de exercício físico não só é segura durante os tratamentos para o cancro, como também pode melhorar o funcionamento físico e muitos aspetos da qualidade de vida. Tem sido demonstrado que um exercício físico moderado melhora a fadiga, ansiedade e a auto-estima, como também tem benefícios para a força muscular e composição corporal. Por sua vez, pode ajudar a diminuir o risco de recidiva da doença e a aumentar a sobrevida.

NUTRIÇÃO: SEJA ACTIVO NA PREVENÇÃO DIÁRIA DO CANCRO

  • Faça uma alimentação saudável
  • 1/3 das mortes por cancro é atribuído a hábitos alimentares errados e à inactividade física.
  • 75 a 80% da maior parte dos cancros são causados por factores associados ao estilo de vida.
  • 30% dos cancros estão directa ou indirectamente relacionados com a nutrição.
  • 40% dos cancros podem ser evitados com mudanças no estilo de vida.

Factores de risco alimentares

  • gordura saturada: carnes vermelhas, enchidos.
  • excesso de calorias e açúcares - obesidade.
  • alimentos tostados.
  • excesso de bebidas alcoólicas.
  • muito sal.

Recomendações para a prevenção

Alimentos que ajudam a prevenir o cancro, ajudam a remover substâncias cancerígenas e podem inibir o crescimento de células malignas. Alimentos diferentes podem combater o cancro de maneira diferente, por isso a alimentação deve ser: variada e equilibrada.

  • limite o consumo de gorduras saturadas e de alimentos ricos em açúcares e sal.reduza o consumo de carnes vermelhas - prefira as carnes brancas (aves, coelho) e o peixe. Os peixes gordos (sardinha, cavala, salmão) são fontes de ómega-3, que protegem contra o cancro.
  • não coma alimentos pré-confeccionados - contém muito sal. Utilize ervas aromáticas e especiarias para temperar os seus pratos.
  • não reutilize as gorduras - use pouca gordura na confecção de alimentos e prefira azeite.
  • aumente os produtos hortícolas e fruta nas suas refeições - as hortaliças de cor verde escura (espinafres, couves, brócolos) contém sulfurafanos, além de fibra.
  • inclua leguminosas na sua alimentação - os legumes de cor vermelha e roxa (tomate, beringela, beterraba) são ricos em licopeno (potente antioxidante). Contém também fibras, vitaminas e minerais.
  • consuma cereais integrais - pelo seu alto teor em fibra.
  • tenha especial atenção à preparação dos alimentos - não consuma alimentos total ou parcialmente carbonizados. Prefira cebola e alho para temperar.
  • modere o consumo de bebidas alcoólicas - o consumo excessivo de álcool aumenta o risco de desenvolvimento de cancro. Prefira água.
  • leia os rótulos dos alimentos.
  • combata a obesidade.
  • pratique actividade física regular.

Por vezes, durante ou logo após o tratamento, pode não sentir vontade de comer. Pode sentir-se desconfortável ou cansado, pode achar que a comida não lhe sabe tão bem como de costume. Adicionalmente, os efeitos secundários do tratamento, como a falta de apetite, náuseas, vómitos ou feridas na boca, podem ser um problema. O médico, o nutricionista, ou outro profissional de saúde, podem dar-lhe sugestões para uma boa alimentação.

Regra geral, as pessoas sentem-se melhor quando permanecem activas: andar, nadar, fazer yoga, bem como outro tipo de actividades, podem ajudar a manter a força e a aumentar a energia. O exercício pode, ainda, ajudar a reduzir as náuseas e a dor, tornando mais fácil lidar com o tratamento e pode aliviar o stress . Qualquer que seja a actividade física escolhida, deve falar com o médico antes de a iniciar. Do mesmo modo, se essa actividade lhe causar dor ou outro tipo de problemas, não deixe de falar nisso ao médico.

Fonte: National Cancer Institute • Com o apoio 
voltar

© COPYRIGHT LPCC 2014

acessibilidade