Calendário de Eventos

DOM SEG TER QUA QUI SEX SÁB
25 26 27 28 29 30
2 3 4 5
9 13 14 15
16 19 20
23 25 26
30 1 2 3 4 5 6
Mês Anterior
         
Mês Seguinte
50-1 50-2 50-3 50-4 50-5 50-6 50-7 50-8 50-9 50-11

CANCRO DA BEXIGA: ESTADIAMENTO

Depois de diagnosticado o cancro de bexiga, o médico deverá avaliar o estadio ou a extensão da doença, de modo a delinear o melhor tratamento. A determinação do estadio é uma pesquisa exaustiva, na tentativa de descobrir se o cancro invadiu a parede da bexiga, se a doença se disseminou e, se for esse o caso, para que partes do organismo.

O médico pode determinar o estadio de evolução do cancro da bexiga no momento do diagnóstico ou após a realização de exames adicionais, que podem incluir exames de imagiologia: TAC, ressonância magnética (RM), espectrograma, pielograma intravenoso, cintigrafia óssea ou raio-X torácico. Por vezes, só é possível determinar o estadio da doença durante a cirurgia.

Estas são as principais características de cada estadio da doença:

  • Estadio 0: presença de células cancerígenas apenas na superfície do revestimento interno da bexiga. O médico poderá chamar-lhe cancro superficial ou carcinoma in-situ.

  • Estadio I: presença de células cancerígenas numa camada mais profunda do revestimento interno da bexiga, que ainda não atingiram o músculo da bexiga.

  • Estadio II: disseminação das células cancerígenas para o músculo da bexiga.

  • Estadio III: disseminação das células cancerígenas através da parede muscular da bexiga e em direcção à camada de tecido que envolve a bexiga. As células cancerígenas podem ter-se disseminado para a próstata (nos homens) ou para o útero ou vagina (nas mulheres).

  • Estadio IV: disseminação do cancro para a parede do abdómen ou da pélvis. As células cancerígenas podem ter-se disseminado para os gânglios linfáticos e outras regiões relativamente afastadas da bexiga, como os pulmões.

Fonte: National Cancer Institute • Com o apoio da 

voltar

© COPYRIGHT LPCC 2014

acessibilidade