Clipping

Voltar

Mais internamentos por cancro da pele

25 de Março 2010

De 2000 para 2008 aumentaram de 1745 para 8483 os internamentos por cancro da pele nos hospitais públicos portugueses.

Os números foram revelados ontem pelo director-geral da Saúde, Francisco George, no encerramento do congresso de fotoeducação que decorreu, durante dois dias, na Fundação Cupertino de Miranda, no Porto, e por onde passaram mais de 900 profissionais, entre educadores, professores, enfermeiros, médicos de clínica geral, dermatologistas, pediatras, oncologistas e profissionais de medicina do trabalho e desportiva.

Ao JN, Osvaldo Correia, secretário-geral da Associação Portuguesa de Cancro Cutâneo (APCC), explicou que este "é mais um dado" que mostra que em Portugal há um "aumento da frequência do cancro da pele, embora a mortalidade esteja a diminuir em virtude do diagnóstico ser cada vez mais precoce".

A acção de formação promovida pela APCC pretendeu, uma vez mais, alertar para a importância de adoptar comportamentos correctos na exposição solar e do diagnóstico precoce, uma vez que, em média, entre 10 a 15% das pessoas com melanoma morrem ao fim de cinco anos. Todos os anos estima-se que haja 10 mil portugueses com cancro de pele, sendo que mil evoluem para melanomas.

O dermatologista lembrou os malefícios dos solários e alertou que "os jovens estão a apanhar muito sol", insistindo na importância de usar vestuário adequado na praia e no desporto. A um mês das férias da Páscoa, alertou para os perigos da exposição solar brusca e, muitas vezes, em locais onde os índices de UV são completamente diferentes dos que se verificam em Portugal.

Por Jornal de Notícias a 15 de Novembro 2015

Voltar
Apoios & Parcerias