Clipping

Voltar

Um Dia Pela Vida... - Mais testemunhos

08 de Outubro 2011

Missão cumprida

Por ocasião da Festa de Encerramento, que decorrerá no dia 8de Outubro na Casa do Povo da Ribeirinha, com início às 10h, o Núcleo Regional dosAçores da Liga Portuguesa Contra o Cancro publica os testemunhos das pessoasenvolvidas na organização de "Um Dia Pela Vida", que se estreou nosAçores na freguesia da Ribeirinha, ilha Terceira.

É importante quando nos sentimosúteis e activos na comunidade onde nos inserimos. Este sentimento torna-seainda mais presente quando nos envolvemos num projecto, com uma causa tão nobrecomo este “Um Dia Pela Vida”. O que vivemos aqui na Ribeirinha, ao longo dedois meses e meio, é algo que deve ser registado na história desta freguesia.Que grande manifestação de solidariedade! Que grande mobilização por uma causa!O envolvimento neste projecto foi essencial para uma mudança de atitude face àdoença, não só a nível pessoal, como para a maioria da comunidade. É muito gratificantechegarmos ao fim com o sentimento de missão cumprida. No entanto, a lutacontinua porque “Podes ter de travar uma batalha mais de uma vez, para avencer”, já dizia Margaret Thatcher. É isso mesmo, um dia, JUNTOS, VENCEREMOS OCANCRO! Muito obrigado a todos!

Dário Toste, Responsável pela Divulgação no Um Dia Pela Vida,na Ribeirinha

 

Quem vive para não servir não serve para viver

Participar neste projecto foi umaenorme alegria. Foi através dele que chegámos à maioria da população, quer nasensibilização para os rastreios e a sua prevenção, quer na divulgação dos setesinais de alerta do cancro. Alerto para o facto de cada um ser responsável pelasua saúde. Por isso, tenham em especial atenção os maus hábitos alimentares, otabaco, o álcool, a obesidade, a falta de exercício, etc., porque quando menos esperamos,o cancro pode bater à nossa porta. Como voluntária do Movimento Vencer e Viver,quero partilhar a alegria de o ser, pois é muito gratificante poder minimizar osofrimento das pessoas que são atingidas pela doença. Confesso que é o tempomais precioso do meu dia-a-dia, já não sei viver sem ele pois tornou-se a baseda minha vida. Quem puder não deixe de o fazer porque é no dar que se recebe e,quem vive para não servir, não serve para viver.

O meu muito obrigada!

Nívea Ferreira, Responsável pelo Entretenimento no Um DiaPela Vida, na Ribeirinha

 

O legado de GordyKlatt

Passadas quase três décadas daheróica caminhada de 24 horas do cirurgião norte-americano Gordy Klatt, mentorda iniciativa, eis que chega aos Açores, mais concretamente à pujante freguesiada Ribeirinha, na ilha Terceira, o movimento “Um Dia Pela Vida”, apoiado pelaLiga Portuguesa Contra o Cancro.

Em 1985,Klatt estava longe deimaginar que a sua ideia de angariar fundos para a luta contra o cancro seviria a tornar num movimento global, actualmente presente em 21 países,espalhado por mais de 600 comunidades. Só nos Estados Unidos, a American CancerSociety, detentora dos direitos do programa, movimenta anualmente 4 milhões departicipantes em cerca de 5000 comunidades. Até à data, estima-se que cerca de3 biliões de dólares já foram angariados a partir das actividades inerentes ao movimento.

Actualmente, a “Relay For Life”(no original inglês) mantém o objectivo de angariação de dinheiro para a lutacontra o cancro, sobretudo no apoio ao doente oncológico e no apoio àinvestigação científica. Contudo, dado o elevado número de pessoas envolvidas,o movimento acabou também por se transformar numa colossal homenagem aossobreviventes por cancro e aos que actualmente lutam contra ele, sem nunca,obviamente, deixar de prestar memória aos que já morreram, vítimas da doença.

O cancro atinge, de facto,transversalmente, toda a sociedade: atinge pobres e ricos, atinge novos evelhos e atinge homens e mulheres. É provável, por isso, que não hajaparticipante algum n’ “Um Dia Pela Vida” que não tenha contactado, directa ouindirectamente, com a realidade da doença oncológica, seja nos pais ou nosfilhos, nos tios ou nos irmãos, nos avós ou nos amigos.

Talvez por isso, o movimentotenha a força que tem e não haja sinais de abrandamento, bem pelo contrário.

Na nossa Região, os objectivos de“Um Dia Pela Vida” são os mesmos que norteiam o programa internacional. Nestecaso falamos da angariação de fundos para o Núcleo Regional dos Açores da LigaPortuguesa Contra o Cancro. Para se ter uma ideia, o Núcleo apoia actualmente 71açorianos com cancro e, em 2010, gastou cerca de 21 mil euros em despesas relacionadascom o apoio à alimentação e à medicação. Dadas as perspectivas, realistas porsinal, do aumento de cancro nas próximas décadas, é expectável que muitos maisdoentes oncológicos venham a solicitar o apoio ao Núcleo. Daí a nossa preocupaçãopresente de angariação de fundos, de que “Um Dia Pela Vida” é um grandeexemplo. Contudo, é fundamental também o apoio aos jovens açorianos que sededicam à investigação na área oncológica. A este nível, o Núcleo abre todos osanos a candidatura à Bolsa D. Maria do Livramento de Abreu Forjaz, no valor de1500 euros, para fins de apoio à investigação. É um valor modesto, bem sabemos,mas que já apoiou 4 bolseiros desde que, em 2006, foi criada. Para que o futurodesta Bolsa também fique garantido, precisamos, mais uma vez, de começar a trabalharjá por ele.

Sonhámos, um dia, trazer até nóseste grande empreendimento que é “Um Dia Pela Vida”. Realizámos já parte dessesonho. Falta agora estendê-lo às outras 8 ilhas do Arquipélago para que, dosonho, nasça uma homenagem à vida dos que, actualmente, lutam e dos que,outrora, venceram, bem como uma lembrança aos que já partiram.

Gonçalo Forjaz, Vogal da Direcção do Núcleo Regional dosAçores da Liga Portuguesa Contra o Cancro

 

Sobre o NúcleoRegional dos Açores

O Núcleo Regional dos Açoresexiste desde 1964. As suas principais finalidades são o apoio ao doenteoncológico e o esclarecimento das populações sobre a problemática do cancro eseus principais sinais. As suas actividades são a concretização dos pontosanteriores, fornecendo material aos doentes, tais como próteses mamárias ecapilares, soutiens medicinais, toucados e lenços para quem esteja fazendoquimioterapia. Estamos também dando apoio financeiro a doentes carenciados, apósestudo socioeconómico feito pelos Assistentes Sociais das zonas dos mesmos. ADirecção é composta por 9 pessoas, todas voluntárias ou seja, sem receberemqualquer verba.

Dentro dos movimentos de apoio,quero realçar o Movimento Vencer e Viver, levado a cabo por mulheresvoluntárias que um dia foram mastectomizadas por causa do cancro da mama e quepassaram, elas próprias, a apoiar outras mulheres que entretanto foramdiagnosticadas com o mesmo cancro.

Para a concretização das nossasactividades contamos com a generosidade de todos, aquando do peditórioNacional, que se realiza em fins de Outubro, princípios de Novembro. Igualmentecontamos com a colaboração de pessoas de boa vontade que organizam actividadespara angariação de fundos, ao longo do ano.

O Núcleo Regional dos Açores tema sua sede na Terceira, na Rua da Rosa, 26, em Angra do Heroísmo, conta comDelegações em Ponta Delgada e na Horta e tem delegadas em todas as ilhas, demodo a chegar a todos os cantos dos Açores, com as suas finalidades e actividades.

Aproveito a oportunidade para sensibilizarquem possa e queira fazer parte do nosso trabalho, como Voluntário. Muito maisse poderia fazer se fossemos mais. DAR não é só entregar dinheiro, é dar-se aooutro que precise de nós.

Venha ser voluntário do Núcleo Regionaldos Açores da Liga Portuguesa Contra o Cancro!

Zita Lima, Presidente do Núcleo Regional dos Açores da LigaPortuguesa Contra o Cancro

Por Diário Insular a 15 de Novembro 2015

Voltar
Apoios & Parcerias