Notícias

Voltar

Novo Edifício Polivalente para o Doente Oncológico

Novo Edifício Polivalente para o Doente Oncológico
Construção de edifício com serviços de apoio ao doente oncológico em Matosinhos
A Liga Portuguesa Contra o Cancro - Núcleo Regional do Norte prepara-se para avançar com a construção de novas instalações polivalentes com diversas valências na área da saúde, em terreno cedido pela Câmara Municipal de Matosinhos, em regime de direito de superfície, após votação aprovada ontem por unanimidade em reunião do executivo municipal.

São cerca de seis mil pacientes oncológicos que poderão vir a ter acesso a um novo espaço, que será constituído por um Lar e Unidade de Acolhimento de Doentes Oncológicos, Cuidados Paliativos / Continuados Pediátricos e de Adultos, Centro de Fisioterapia Oncológica, Centro de Cuidados Domiciliários para doentes idosos e carenciados, Centro Tecnológico de Investigação, Auditório para 200 pessoas e Salas de apoio. O edifício terá uma área coberta de aproximadamente 3.000 m2 e a sua execução está orçamentada em cerca de 6 milhões de euros, verba que será paga por donativos e legados “obtidos ao longo de vários anos”, bem como de programas de financiamento europeus e de fundações que tenham incentivos económicos orientados para estas valências.

Este projeto será apresentado e posto à discussão junto de sócios, voluntários, utentes e funcionários da Liga, no sentido de chegar a um consenso do que é mais necessário para o doente oncológico.

A parcela de terreno, com a área total de 9380 m2, com confrontações a norte com a Rua Albina Rosa Dias, a sul com a Domingos Domingues Alves, a nascente com a Mário Vasco Ferreira Barbosa e a poente com a Joaquim Teixeira, com acesso pela Rua Central do Seixo, na União de Freguesias de São Mamede de Infesta e Senhora da Hora, avaliado em 620 mil euros, será cedida à LPCC por um período de 50 anos, pelo valor de 496 mil euros. De acordo com o texto votado na reunião, a construção das novas instalações deverá ter início no próximo ano. O prazo máximo para a conclusão das obras é de cinco anos a contar da data da celebração da escritura.
 
 
Por Núcleo Regional do Norte a 01 de Agosto 2017

Voltar

Sugestões

Apoios & Parcerias