Voltar

Susana Lino

42 anos Linfoma Não Hodgkin, 2004, Doente
O cancro pode derrubar sonhos e impossibilitar projetos. Mas também pode ajudar a crescer e a ver a vida de uma perspectiva totalmente diferente.Tudo mudou no momento em que o médico me disse que eu tinha “um problema que era assunto do IPO”.Tinha eu 33 anos. Havia sido mãe pela primeira vez acerca de 1 ano, de um menino fantástico, o Gonçalo, que ao longo de todo este tempo tem sido a minha principal fonte de energia positiva na luta contra a doença e contra tudo o que dela advém.No verão de 2004, estava eu felicíssima com o meu bebé, apesar de todo o desalento da situação que há primeira vista parecia muito complicada, pois o pai do Gonçalo nunca o quis conhecer, quando comecei a ter os primeiros sintomas de que algo não estava nada bem.Tinha emagrecido bastante, mas que bom! Afinal tinha conquistado uns quilitos durante a gravidez… sentia muito cansaço, mas seria normal atendendo a toda a situação envolvente… o pior foi quando comecei a ficar com graves dificuldades respiratórias e com uma tumefacção no tronco, isso já não podia ser normal…Após exames e consultas médicas, tive o tal veredito… de que era um assunto de IPO, notícia dada por um médico (que já me conhecia há tantos anos) assustado com o que via, e daqui até entrar pela primeira vez no IPO foi um pulinho de pardal.Foi-me diagnosticado um Linfoma não Hodgkin (LNH) no mediastino, já em estado avançado.O que é um linfoma? Hodgkin? Quem é esse? Vou morrer? Como dou a notícia aos meus pais? E o meu filho que nem pai “tem”? E agora? Que vai acontecer? Estou com cancro! Não pode ser!Não dá para esquecer. Desde logo, porque a doença impõe várias limitações, algumas das quais me acompanharão sempre, mas às quais já eu me adaptei. Principalmente à insuficiência respiratória, devido a lesão do pulmão direito.Fiz vários ciclos de quimioterapia em hospital de dia, fiz 25 sessões de radioterapia, em alguns dos momentos passei muito mal e cheguei a ver o descrédito escondido no olhar das pessoas fantásticas que sempre me acompanharam no IPO. Desde pessoal de enfermagem, ao auxiliar, até aos médicos, destacando sem querer desmerecer qualquer uma destas pessoas, a minha médica em quem encontrei uma verdadeira amiga e confidente.Após pouco tempo do término da Radioterapia, tive uma recidiva exactamente no mesmo sítio. Voltei a perder o chão. Aqui sim, foi mais difícil aceitar! Não estava mesmo preparada! Foi mesmo muito difícil. Mas segui em frente para mais uns ciclos de quimioterapia bastante diferentes e agressivos, desta vez feitos em internamentos de 6 dias, em que fazia quimioterapia durante 5 dias consecutivos, 24h por dia. Passei muito mal mesmo. Mas venci mais esta fase e passei à seguinte: o auto-transplantes da medula óssea. Outra etapa terrível para mim, talvez a pior de todas. “Paniquei” completamente no isolamento. Queria abandonar o hospital. Tive que ter acompanhamento psiquiátrico. Lidei mesmo mal com o isolamento. Sentia saudades do meu Filho. Terríveis e insuportáveis. Consegui preocupar toda a gente que me acompanhava de longe ou de perto.Mas, agora, depois de 6 anos do auto-transplante, estou bem. Estou feliz. Estou diferente.Continuo a visitar muitas vezes os meus amigos do IPO, mas basicamente em rotina.Ao longo de toda a doença o que mais me “doía” era a ausência do meu filho nos internamentos, que foram mesmo muitos, era não poder pegar nele ao colo (nem forças tinha), era não poder abraça-lo à noite antes de dormir…Quantas vezes as minhas amigas enfermeiras me encontraram de madrugada sentada no meio da cama, agarrada à foto dele (que sempre levava comigo) a chorar. O tempo que “perdi” dos primeiros anos da infância do Gonçalo, penso que foi o que mais me marcou no meio de tanta coisa.Durante todos estes processos, que pareciam infindáveis, contei sempre com os meus queridos pais, super pais e super avós para mim e para o Gonçalo. Amparando-me na doença. Sofrendo comigo. Criando o meu filho no meu lugar.Hoje sou feliz com o meu Gonçalo, na minha “casa de bonecas” como lhe chamo porque é pequenina. O meu filho tem 9 anos e é um menino feliz ao meu lado. Continuo a trabalhar no que sempre fiz e gostei. Tenho a minha vida nova! Renasci!!!!!É importante que as pessoas percebam a importância das conversas, do sol, do canto dos passarinhos, das flores que crescem na primavera ou das folhas amarelas que o outono traz, do choro dos filhos, do cansaço de um dia de trabalho, da nossa cama quentinha, coisas ridículas aos olhos de quem nunca viveu o cancro. É neste sentido que eu aqui deixo o meu testemunho, não só porque conta a minha história de uma forma que nunca ninguém ouviu da minha boca, mas também porque pode ser a história de muitas outras pessoas e porque pode fazer toda a diferença ao ser lida por alguém que procure alento.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Página em branco, vazia de emoções. À nossa volta ouvimos histórias, vemos casos mas estão à distância de um instante que nos coloca a salvo de...Teresa Viegas, 35 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2015Ler mais
  • A 11 de setembro de 1999, após uma entrada no Hospital com uma dor torácica, foi-me diagnosticado, após algumas horas de exames, linfoma não Hodgkin,...Fernanda Malanho, 39 anos, Linfoma Não Hodgkin, 1999Ler mais
  • Olá a todos! Soube mais ou menos há cerca de um mês que o meu avô tem cancro. Desde o início desta luta que estou ao lado dele, todos os dias. O meu...Margarida Mendes, 17 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2015Ler mais
  • Boa tarde! Sou a filha de uma mulher ribatejana, de 55 anos, a quem foi diagnosticado, no passado agosto, um Linfoma Não Hodgkin de grandes células (na...Ana Oliveira, 30 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2012Ler mais
  • Olá, eu tive um linfoma-marginal no pescoço. No início, foi difícil aceitar o diagnóstico, mas por incrível que possa parecer, as primeiras palavras...luis frazao, 45 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2007Ler mais
  • Partilho este capítulo da minha vida com todos aqueles, que no desfolhar do livro das suas vidas, lhes foi diagnosticado um cancro. Palavra que nos abala e...Barbara Machado, 25 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2010Ler mais
Apoios & Parcerias