Voltar

Ana Cláudia

23 anos Linfoma Hodgkin, 2011, Doente
Olá! O meu nome é Ana, tenho 23 anos e no ano passado foi-me diagnosticado um linfoma de Hodgkin. Em plena juventude, o dia do diagnóstico levou um pouco de mim... Chorei, chorei muito, mas também posso dizer que foi o único dia que chorei. Apenas com uma palpação ao meu pescoço e as minhas descrições de cansaço, perda de peso (8kg) e suores noturnos levaram a minha médica a marcar-me um raio-x ao torax urgentemente. Assim que o raio-x foi feito, no dia a seguir o radiologista ligou para a minha médica, que me encaminhou logo para uma consulta no hospital o mais rápido possível. No dia 25 de maio tive então essa consulta onde fiz muitas análises, exames e posteriormente fui operada ao gânglio que tinha no pescoço que retiraram para biopsia. Apesar de nesta altura o diagnóstico não estar confirmado, a minha médica preparou-me logo pois era bastante óbvio. Depois disso veio a terrível confirmação... eu tinha um cancro! “Que palavrão!” Pensei na altura... o meu mundo desabou. Mas depois tudo aconteceu muito rapidamente... fiz uma PET, um exame de imagiologia para a médica avaliar a extensão do meu problema e tinha uma mancha na zona do torax com cerca de 13mm! Tive que fazer 3 sessões de ferro antes de iniciar a quimioterapia pois tinha uma anemia muito acentuada e depois, a 6 de julho, comecei então as sessões de quimioterapia. No dia em que fazia a quimioterapia e nos dois dias a seguir sentia-me um pouco cansada e com muita vontade de dormir mas depois tudo voltava ao normal. Como fazia as sessões de 15 em 15 dias tinha tempo para me recuperar um pouco. Depois veio a queda do cabelo, que deixa tanta gente frustrada... A verdade é que a mim não deixou nem um pouco... sempre pensei “morrer ou o meu cabelo?” Não quero saber do cabelo! Um dia, farta de o ver cair em cima de tudo, disse “eu quero cortar o cabelo!”. Tenho um namorado espectacular que fez questão de ser ele a cortar-me o meu próprio cabelo e a passar por isso comigo! Quando acabou de me cortar o cabelo e de me deixar com um pente 1 disse-me “Tás linda!”… (não há palavras). Depois da quimioterapia veio então a radioterapia... Correu também tudo bem, não fiquei com marcas na pele e apenas tive as inflamações normais das áreas radiadas que rápido passaram com anti-inflamatórios. Hoje acabei os tratamentos. Há 3 meses que me foi dito que a doença estava praticamente extinta... Para o mês que vem vou a outra consulta e farei exames para saber como estou. Confesso... estou com muito medo! Mas não vou baixar os braços! Agora que parei por uns tempos esta correria é que consegui avaliar o que realmente me custou em todo este processo. Mais o sofrimento daqueles que me amam que o meu. Ver as pessoas à minha volta num sofrimento enorme é que me deixava muito triste e dava tudo para não ter que vê-las assim outra vez! Deixo aqui um abraço muito grande com muito carinho para todos os que estão a passar por uma situação semelhante. Muita força, esperança e nunca tirem o sorriso dos lábios! (Ah, e adoro ver-me de cabelo curto) Lutar sempre!
Voltar

Outros Testemunhos

  • Tinha 14 anos quando me diagnosticaram linfoma Hodgkin. Vivia num Alentejo num tempo sem computadores nem informação. Não sabia o que era o cancro... No...Ana Silva, 37 anos, Linfoma Hodgkin, 1988Ler mais
  • Em janeiro de 2004 detetaram, através de uma TAC, que eu tinha um “linfoma hodgkin”, nessa altura estava eu hospitalizada no hospital onde rapidamente...clara martins, 25 anos, Linfoma Hodgkin, 2004Ler mais
  • Tudo começou numa tarde de calor, em que estava com um grupo de amigos e o meu namorado no rio.Na manhã seguinte, ao acordar, apalpei um diminuto...Débora Faria, 22 anos, Linfoma Hodgkin, 2014Ler mais
  • Tinha eu 16 anos quando soube que o meu pai estava doente. Foi-lhe detetado um linfoma de Hodgkin e passei momentos bastante complicados. A cada dia que...Pedro Lemos, 19 anos, Linfoma Hodgkin, 2008Ler mais
  • Vencer é a palavra de ordem!Início de 2012 cansada, e até algo deprimida, alto no peito, deve ser coluna... pensei, longe estava do que realmente...claudia neves, 45 anos, Linfoma Hodgkin, 2012Ler mais
  • Tudo começou com um “alto” no pescoço. Pequeno. Não me incomodava e apenas dei por ele por acaso, ao ver-me ao espelho. Achei estranho e tentei...Cláudia Bandeira, 31 anos, Linfoma Hodgkin, 2010Ler mais
Apoios & Parcerias