Voltar

Ana Raquel

26 anos Colo-Rectal (Intestino), 2013, Familiar
Sou enfermeira num serviço hospitalar de oncologia e, por isso, convivo todos os dias de muito perto com pessoas com cancro. O que não se espera, quando se é profissional de saúde, é que a nossa mãe descubra que tem exatamente a mesma doença com a qual lidamos todos os dias. Não se espera que a dor que tentamos aliviar nos outros seja a mesma da nossa mãe. Também não se espera que a nossa mãe tenha de passar pelos efeitos secundários dos tratamentos pelos quais os nossos doentes também passam. Não esperamos nunca pelo balde de água fria que é saber que o cancro voltou, nem nos nossos doentes nem muito menos na nossa mãe. Dou este testemunho com muito carinho pelos meus doentes, pessoas incríveis cheias de força de viver; pelos meus colegas, que sabem tão bem como eu o que nosso coração sente quando metemos as mãos no trabalho; e pela minha querida mãe, que acabou de descobrir que ainda vai ter de lutar mais uma vez, mas que eu tenho a certeza de que vai vencer com a mesma determinação, coragem e força com as quais vence tudo na vida. A minha mãe é um exemplo a seguir, em tudo, e eu acredito que a boa disposição e a atitude positiva faz toda a diferença! Um abraço super apertado para ti, mãe!
Voltar

Outros Testemunhos

  • Durante dois anos lutei com o meu querido pai contra a doença que, infelizmente acabou por ser mais forte.Contudo, tenho de enaltecer a força e a...Sofia Nobre, 28 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2010Ler mais
  • Aos 17 anos eu e a minha irmã fizemos um teste genético devido aos vários casos de cancro do intestino na família. Aí foi...Lúcia Marçal, 26 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2014Ler mais
  • Sou testemunha não só de cancro colorretal como de cancro no cérebro. O meu pai teve a sorte de morrer com qualidade no IPO (tumor cerebral), mas até...Laura Castanheira, 38 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2006Ler mais
  • Fez no passado dia 1 de Abril 6 meses que, tanto eu como a minha família tomámos conhecimento da notícia mais inesperada e triste que...Fábio Pereira, 24 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2015Ler mais
  • Sou o Vítor e, com 32 anos, foi-me diagnosticado cancro colo-rectal, a incidência estava localizada a 4 cm do anel rectal ou esfíncter, e a previsão...Vitor Silva, 34 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2010Ler mais
  • Em outubro de 2002, tinha 40 anos e comecei a ter fortes dores abdominais. Fui vista por médicos que suspeitaram de gastrite. Fiz uma ecografia que nada...Teresa André, 50 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2002Ler mais
Apoios & Parcerias