Voltar

Anita Chouriço

39 anos Mama, 2010, Doente
Conheci o cancro na primeira pessoa há um ano atrás. Há um ano e um mês que convivo diariamente com ele, trato-o por tu, mas recuso-me a deixar que ele me trate a mim. Tenho a maior razão do mundo para me manter viva: tem 10 anos e é a minha filha Noémia. Deixo o meu testemunho para que nos dias de inverno, dor, falta de paciência, desalento, que o cancro vos possa dar, levantem bem alto a bandeira da esperança, recusem-se a ser vencidos! Comam muitos alimentos verdes e coloridos e tentem fazer todos os dias algo que vos deixem felizes. Ajuda e muito a vencer o cancro! Façam tudo o que o cancro não gosta: brinquem com a vida, sorriam com os vossos amigos e familiares, lutem. Se tivermos que cair, caímos com orgulho e com a certeza de batalha encarada! E que a vida se torne vencedora! Votos de esperança e melhoras para todos os que fazem esta caminhada, doentes, amigos, família. Obrigada pela partilha.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Chamo-me Eduardo Marques. 38 anos. Vendedor. Um homem, como outro qualquer. Com uma diferença para muitos outros, que o torna menos igual entre iguais -...Eduardo Marques, 38 anos, Mama, 2013Ler mais
  • Tinha acabado de saber que a minha filha ia ser internada para fazer uma laparoscopia com vista a determinar as causas da infertilidade com que lutava há...helena santos, 56 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Quero deixar o meu testemunho porque o acho importante. Sou uma pessoa muito cuidadosa, com a saúde dos meus e com a minha. Quando em abril de 1984...Belém Bispo, 67 anos, Mama, 1985Ler mais
  • Fui diagnosticada com cancro inflamatório da mama, em dezembro de 2013. Com uma filha de 3 anos e meio, não me restou senão...Vera Fernandes, 34 anos, Mama, 2013Ler mais
  • Conheço de perto a realidade do cancro, concretamente do cancro da mama, uma vez em que em casa tenho uma pessoa muito próxima, a minha avó paterna, que...Diogo Campos, 18 anos, Mama, 1992Ler mais
  • Em junho de 1991, depois de uma mamografia, por causa de um pequeno “altinho” na parte inferior da mama esquerda, que teimava em não desaparecer, li no...Gabriela, 57 anos, Mama, 1991Ler mais
Apoios & Parcerias