Voltar

Beatiz carriço xavier

50 anos Mama, 2007, Doente
Foi graças a esta Instituição que hoje estou viva. Em 2006 fui chamada para o rastreio e foi-me detetado um nódulo, mas esse foi só tirar e felizmente não era maligno. Mas em 2007 é que veio a má notícia depois de fazer uma mamografia, quando a minha médica me disse que tinha que fazer mastectomia radical, com esvaziamento da axila. Foi como se o mundo me tivesse caído em cima. Também passei por momentos muito dolorosos, que esta doença nos traz, como a quimioterapia, radioterapia, ficar sem o meu cabelo... Mas graças à sua atuação ainda fui a tempo de me salvar. A cura varia muito, o estado de espírito da pessoa ajuda a superar todo o sofrimento, assim como o grande apoio do marido, filhos ou familiares mais próximos. Nós precisamos muito de carinho, amor e muita compreensão. Eu posso dizer com toda a certeza que foi tudo isso que me ajudou a superar todo o meu sofrimento. Hoje já a fazer a reconstrução mamária, sinto-me a mulher mais feliz do mundo porque finalmente já gosto do que vejo ao espelho. Por tudo isto, força! Não desistam de lutar com todas as forças, vale a pena a nossa luta, porque a vida é o bem mais precioso. Obrigado a todos os profissionais de saúde que me acompanharam.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Com 48 anos, robusta e saudável, fui fazer a mamografia e ecografia de rotina. A demora do médico a observar e a comparar as radiografias, o pedido à...Maria Oliveira, 52 anos, Mama, 2008Ler mais
  • Desde que me conheço como mulher que tenho nódulos/quistos nos peitos. Daí fazer todos os anos, desde há muito tempo atrás, os respetivos exames de...Maria, 48 anos, Mama, 2009Ler mais
  • Em janeiro de 2008, eu e a minha mulher estávamos super felizes. Descobrimos que ela estava grávida do nosso segundo filho. Tínhamos tido o primeiro em...hugo santos, 29 anos, Mama, 2008Ler mais
  • Corria o mês de Julho, quando a minha mãe foi solicitada para realizar o rastreio do cancro da mama. Ao princípio recusou, na verdade, nunca gostou de...Joana Rocha, 18 anos, Mama, 2012Ler mais
  • Aprendi, durante o tempo em que estive doente, que cancro não é sinónimo de morte, mas sim sinónimo de luta!Apesar de ficarmos curadas, nunca mais...Custódia Esturra, 43 anos, Mama, 1995Ler mais
  • O meu testemunho tenta ser uma mais-valia e uma ajuda a todos que, como eu, passam por esta doença. Em 2008, foi-me diagnosticado um cancro da mama ao qual...Maria Ferreira, 57 anos, Mama, 2008Ler mais
Apoios & Parcerias