Voltar

Beatriz

19 anos Melanoma, 2012, Doente
Em 2011 entrei na universidade, tudo corria bem…Amigos novos, convívio e muita diversão. No fundo é o que qualquer jovem gosta de experienciar nesta altura.Contudo em março de 2012 foi-me diagnosticado um melanoma maligno, para mim foi como o chão a fugir-me dos pés. Ao receber esta notícia tive que ir buscar força não sei bem onde…Só sei que a tive de ir buscar. Não podia ficar fragilizada, pois sabia perfeitamente que os meus pais e o meu irmão estavam muito abatidos com esta notícia, tinha que me mostrar forte.O mais difícil da doença não foi estar a entrar num meio diferente e um pouco chocante como o IPO, mas sim o estar muito longe de casa. Voltava a casa quando tinha de ir ao hospital, pois a minha vontade era fazer todos os possíveis para conciliar a faculdade com o hospital.Na faculdade eram poucos os que sabiam o que eu estava a passar. Contudo, os que sabiam por vezes não conseguiam lidar comigo da melhor maneira. Sentia-me sufocada mas tinha a noção que por vezes era instável com as pessoas que estavam à minha volta. Era muito difícil para mim ter que ser sempre aquela amiga presente, aquele ombro amigo, tinha que estar sempre pronta para ajudar...Foi difícil esta pressão, gostava que o outro lado se apercebesse que eu também precisava de apoio. Eu também queria atenção (…) Sinto que me faltou aquela mão por trás das costas a dizer-me ao ouvido “eu estou aqui para ti”. Contudo não os critico, pois tenho noção que eles não estavam preparados para um assunto deste (…). Acho que uma das coisas mais importantes é termos alguém que esteja disposto a ouvir e não nos julgue…É difícil quando falamos com uma pessoa e ela só nos sabe dizer que precisamos de ajuda psicológica. Devem pensar que só nos queremos lamentar mas no fundo nós só queremos desabafar, sentirmo-nos aliviados… Sinto que cresci muito a nível emocional com esta experiência, nem tudo foi mau, tornei-me muito mais madura para a minha idade. Para terminar, nunca perdi a noção da realidade tentei sempre manter a calma… O meu lema de vida é o seguinte: “tudo tranquilo”. Atualmente continuo a ser regularmente vigiada. A mensagem que eu vos queria passar era uma mensagem de coragem e determinação (…).
Voltar

Outros Testemunhos

  • A minha filha era linda. Morena, olhos grandes, pele de cetim. Aos 18 anos, um pequeno sinal preto, redondo, bonito apareceu no meio da sua face. Ficava-lhe...Ana Pinto, 47 anos, Melanoma, 2004Ler mais
  • É um dos ditados mais bonitos que todos nós aprendemos e vulgarmente o referimos “O Sol quando nasce, nasce para todos”. Meus caros amigos, é...Casimiro Martins, 60 anos, Melanoma, 2009Ler mais
  • Corria o ano de 2002 e eu, na altura com 37 anos, comecei a sentir dores no olho esquerdo. Fui ao médico de família que me diagnosticou enxaquecas. A dor...Vitor Paixao, 46 anos, Melanoma, 2004Ler mais
  • Em 2002 apareceu um sinal novo, pequenino e muito escuro. Recorri a um especialista e, de imediato, foi retirado. Só em 2012 tive alta. Fiz vigilância com...Maria Teresa, 55 anos, Melanoma, 2002Ler mais
  • Em 2001, com 23 anos, foi-me detetado um melanoma da coroideia, ou seja, um tumor intra-ocular.Numa manhã de primavera, quando estava a...Susana, 38 anos, Melanoma, 2001Ler mais
  • No ano de 2010 foi-me diagnosticado um melanoma maligno. Ao receber uma notícia destas ninguém esta à espera, tende-se a não querer acreditar no que...Elisabete Ferreira, 39 anos, Melanoma, 2010Ler mais
Apoios & Parcerias