Voltar

Christina Mattos Luzes

47 anos Ovário, 2007, Doente
Em abril de 2004 tive uma filha, de cesariana, estava tudo bem. Em outubro de 2006 fiz o papanicolau e deu negativo, mas o meu médico do centro de saúde, que fez o exame clínico, logo constatou algo de diferente. Fiz os devidos exames e a cirurgia (laparotomia exploradora) em junho de 2007. O meu marido e as minhas filhas mais velhas, 15 e 18 anos na altura, optaram por não me dizer que havia sido um carcinoma maligno. Assim, em agosto fui chamada para quimioterapia, para minha surpresa. Portanto, compreendi e aceitei muito bem a situação mas, após três dias da primeira sessão de quimioterapia, vieram as febres (…). Muitas dores nas costas, dedos roxos. Após quase uma semana, uma amiga minha, a minha Anjinha, resolveu levar-me diretamente ao hospital (…). Fui internada durante 10 dias. Sofri muito, além da “solidão”, das dores, da transfusão que tanto me custou, pelas minhas filhas pequenas, que não podia vê-las. A equipa médica responsável foi a “peça” fundamental da minha recuperação (…), todos muito queridos, desde os auxiliares, enfermeiros e médicos. Não posso deixar de agradecer a uma enfermeira que me deu a sua comida quando fui internada, pois o jantar já havia terminado (…)! Foram dias muito difíceis, com muita oração, fé e esperança. Tudo passou, tive uma festa de boas vindas e tudo, fiquei emocionada, e assim foram decorrendo outras sessões, sempre com o acompanhamento da minha filha e o amor e dedicação do meu marido (…). Desde os anónimos até aos mais presentes, com pequenos e grandes gestos. Mas foi fundamental o carinho, a atenção de todos, dos bombeiros, dos amigos doentes e parceiros de radioterapia. Nestes momentos tudo faz a diferença! E uma vela que foi acesa, um pedido a Deus Pai, uma palavra lá do outro lado do mundo, cada minuto que me vinham ver, sorrir ou chorar. Além de deixar o momento mais difícil, deixo aqui a importância das pessoas, dos familiares em nossas vidas. (…) Vale a pena lutar e vencer! Vivendo cada dia de cada vez, na paz e no amor. Obrigada ao grande trabalho da psico-oncologia, é importante para mantermos o nosso equilíbrio mental e sentimental. Agradeço a Deus por ter tido a oportunidade de viver mais alguns anos, e não deixem de lutar, porque mesmo que passemos para o outro lado, conseguiremos ter a certeza que lutamos e continuaremos a nossa batalha. Com carinho.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Em 1999 foi-me diagnosticado um tumor de origem embrionária, bastante raro e pouco visto em Portugal, pelo menos, até àquele momento. Atualmente e após...Ana Silva, 33 anos, Ovário, 1999Ler mais
  • Boa tarde! Venho mais uma vez dar o meu testemunho e dizer a todos os doentes oncológicos para nunca desistirem de viver. Lutei muito com a minha mulher,...Paulo Pinto, 43 anos, Ovário, 2011Ler mais
  • Começou na minha primeira consulta de ginecologia, na altura ainda tinha 20 aninhos. O médico de família detetou uma “massinha” no ovário que era...Mónica Baraçal, 21 anos, Ovário, 1Ler mais
  • Olá boa tarde, o meu nome é Sofia. Fui diagnosticada com um adenocarcinoma do ovário, aos 39 anos,grau 3b+,hoje tenho 50 anos e...Maria Carriço, 50 anos, Ovário, 2009Ler mais
  • Olá, boa tarde. O meu nome é Paula e à 20 anos lutei contra um cancro no ovário direito, após a remoção do...Paula Freire, 38 anos, Ovário, 1999Ler mais
  • Tive cancro do ovário há 18 anos. Tinha acabado de fazer 40 anos quando, por mero acaso, me foi detetado um tumor no ovário esquerdo (não tive um único...Maria Sobral, 58 anos, Ovário, 1995Ler mais
Apoios & Parcerias