Voltar

Clara Vasconcelos

26 anos Tiróide, 2009, Doente
Depois de ler todos estes testemunhos, noto que (quase) todos pensamos o mesmo: “A mim não me vai acontecer nada!” Mas acontece, aconteceu e continua a acontecer todos os dias. Naquele dia, nem um mês tinha de casamento, tinha imensos projetos, imensas ideias, tinha um emprego novo, uma casa, uma vida completamente diferente e, de repente, leio o diagnóstico! Não me lembro como cheguei a casa depois de ler aquilo, só consegui dizer ao meu marido “eu não quero morrer!”. Fui operada 10 dias depois, fiz uma tiroidectomia total, um tratamento com iodo radioativo e, desde então ando sempre a ser vigiada. Lembro-me que só queria ser operada, para me tirarem aquilo dentro de mim. O tratamento com o iodo não é muito doloroso mas temos de estar afastados dos que gostamos, ainda por cima numa fase em que estamos tão vulneráveis, é duro! Finalmente, um ano depois do tratamento, fiz os exames, até hoje não houve nenhuma reincidência. Quando ouvi da médica dizer “pode voltar a ter uma vida normal” foi dos dias mais felizes da minha vida, senti que podia voltar a viver naquele ponto em que tudo parou, naquele ponto em que deixei de sonhar com o futuro porque não sabia o que ele me reservava. Hoje, dou Graças a deus, aos médicos que me assistiram e à minha família, se não fossem eles, nada fazia sentido! Ninguém está preparado para ouvir que tem um cancro, infelizmente é como se nos ditassem uma sentença de morte sem termos feito nada para a merecer, é duro, é avassalador, é um sentimento que não tem explicação, não há como descrevê-lo. Resta-me só escrever o que uma sobrinha minha disse quando se apercebeu que alguma coisa de errado se passava comigo. A minha irmã disse-lhe que eu ia ter de ser operada a um órgão chamado tiroide e que estava doente. A pequenina tinha quatro anos na altura e aparece-me à frente com o sobrolho franzido, com um ar de quem vai bater em alguém, as mãos nas ancas e pergunta-me com um olhar desafiador: “mas afinal o que é que esse tiroido faz!” Nesse momento percebi que eu tenho de viver, não poderia perder esta vida maravilhosa e dos que me rodeiam, os que fazem a minha vida e os que são a minha vida e a minha razão de aqui estar!
Voltar

Outros Testemunhos

  • Olá a todos os que já passaram, ou estão a passar por este tipo de doença e os que ajudam esta causa. Tenho 25 anos, e venho por este meio apresentar o...liliana reguengos, 25 anos, Tiróide, 2011Ler mais
  • Não sei por onde começar pois a minha história tem um começo, um meio mas ainda não tem um fim. Resolvi escrever para que possa servir de exemplo a...Cristiana ferreira, 27 anos, Tiróide, 2013Ler mais
  • Por pura coincidência, descobri que tinha um carcinoma papilar na tiróide, em junho de 2010. Nunca me vou esquecer do dia, pois era o 60º aniversário do...Ana, 32 anos, Tiróide, 2011Ler mais
  • Em meados de 2009 apercebi-me de uma “massa” na região do pescoço. Desde logo estranhei a sua presença... Além disso sou profissional de saúde....Susete, 27 anos, Tiróide, 2009Ler mais
  • Em agosto de 2002 fui fazer uma ressonância magnética à coluna vertebral e qual foi o meu espanto quando o médico disse que deveria procurar com...Maria Barreiros, 50 anos, Tiróide, 2002Ler mais
  • Olá a todos, foi-me diagnosticado um carcinoma papilar da tiroide em finais de 2008. Não tive sintomas, mas apareceu-me um nódulo no pescoço, fiz...Mariana linharelhos, 30 anos, Tiróide, 2008Ler mais
Apoios & Parcerias