Porque quem precisa, precisa de nós!

Contribua com o seu donativo
Voltar

Diana Damião

27 anos Mama, 2006, Familiar
Em julho de 2006, tinha eu 20 anos, o meu mundo tremeu. No dia em que a minha mãe fez uma mamografia, soube-se que tinha cancro da mama. Entretanto, em agosto, foi submetida a uma cirurgia e, posteriormente, fez radioterapia. Digamos que tudo estava a correr bem. Era vista pelo médico com frequência, fazia análises e exames regularmente e tomava sempre o comprimido diário, sem nunca falhar. Estávamos em 2010 e faltava apenas um ano para a minha mãe ter "alta" do médico, quando começou a sentir dores abdominais e a ficar com um cansaço na voz muito estranho. Como os sintomas não passavam, bem pelo contrário, decidimos ir às urgências, para sabermos o que se passava e resolver a questão. Se em 2006 sofri, não sei como descrever o mês de outubro de 2010 quando descobrimos que, afinal, o cancro tinha metastizado: instalara-se no fígado. Afinal, algumas células tinham-se escapado e durante quatro anos fizeram-nos acreditar que tínhamos vencido a doença. Mas não. Ali estava ela outra vez. O mês seguinte, novembro, foi o pior que já vivi, pois via a minha mãe a ficar cada vez pior, mesmo tomando uma série de medicamentos, mesmo a fazer quimioterapia, mesmo a tomar vitaminas. Eu já não sabia o que fazer, pois cuidava dela o melhor que conseguia e não via melhoras. Eu fazia os possíveis e os impossíveis para me manter sã, porque a minha mãe precisava de mim, embora às vezes me sentisse doente psicologicamente, uma vez que de dia para dia o seu estado de saúde piorava. No entanto, nunca perdi a esperança, nunca. Achei que a minha mãe não ia morrer, que isso não era possível, pois estava a ser bem tratada por mim, pelo meu pai, pela minha tia, que para nós foi um anjo, e, sobretudo, pelo médico que a acompanhava. Mas todos os cuidados não foram suficientes e a doença venceu-a (ou melhor, venceu-nos) a 07 de dezembro de 2010. Nesse dia, perdi a minha mãe e a minha melhor amiga.Apesar de ter sido apenas um mês e meio de doença, foi um período muito pesado, difícil e desgastante psicologicamente. Já se passaram dois anos e quatro meses e posso dizer que só ao final de dois anos consegui recomeçar a "viver". Até lá sobrevivi. Fui aprendendo, ao longo desse período, que devemos cuidar dos que estão vivos e precisam de nós, e que não vale a pena fazer planos a longo prazo. Devemos, sim, viver um dia de cada vez, apreciar os pequenos prazeres da vida e, principalmente, manter vivas as pessoas que já partiram. Embora não tenha a minha mãe comigo, ela continua a ser a pessoa mais importante da minha vida e o seu lugar no meu coração jamais será preenchido, continuará a pertencer-lhe, sempre.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Em junho de 1991, depois de uma mamografia, por causa de um pequeno “altinho” na parte inferior da mama esquerda, que teimava em não desaparecer, li no...Gabriela, 57 anos, Mama, 1991Ler mais
  • O meu nome é Célia Sequeira (39 anos) e no dia 29 de Novembro de 2012 foi-me diagnosticado cancro de mama.Sentada, em frente ao médico, ele comunicou...Célia Sequeira, 39 anos, Mama, 2012Ler mais
  • (...) Estava envolvida num projecto profissional intenso em Lisboa, faltava-me tempo para parar e pensar... Mas estava muito assustada com o nódulo no...Fernanda Simões, 46 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Olá! Venho contar a história da minha mãe, que é a pessoa mais corajosa que eu conheço. Eu tinha 15 anos e a minha irmã 10 ou 11 anos, quando a minha...simone nunes, 27 anos, Mama, 1999Ler mais
  • Conheço de perto a realidade do cancro, concretamente do cancro da mama, uma vez em que em casa tenho uma pessoa muito próxima, a minha avó paterna, que...Diogo Campos, 18 anos, Mama, 1992Ler mais
  • A todos aqueles que percorreram o caminho mais sinuoso do mundo... A todos aqueles que o estão a percorrer... A todos aqueles que o irão percorrer......Adília Carvalho, 50 anos, Mama, 1997Ler mais
Apoios & Parcerias