Voltar

Elsa Valentina Campos Pinto

40 anos Mama, 2007, Doente
Em fevereiro de 2007 foi-me diagnosticado um cancro de mama. Depois da biópsia veio o resultado, o que eu mais receava, o chão a fugir dos pés, o medo dentro de mim... Caminhar para o desconhecido penso que é uma sensação inexplicável.Fui operada uma primeira vez retirei localmente o tumor, a cirurgia correu bem, os médicos tinham um bom prognóstico mas passados 15 dias fui novamente operada, fiz mastectomia radical com esvaziamento axilar, tinha 35 anos, fiz quimioterapia e radioterapia, caiu-me o cabelo todo pois a minha quimioterapia era muito agressiva, andei sempre de lenço e enfrentei esta doença como uma guerra contra um inimigo que nunca sabia se ia vencer, mas nunca perdi a fé e segui em frente com medos, com risos, com perdas de companheiras... Mas aprendi a nunca desistir e a lutar pelo meu filho pequeno de 3 anos, na altura. Passados 4 anos fui operada dia 8 de março (dia da mulher) fiz uma histerectomia total retirei todo o meu aparelho reprodutor... Fiquei triste pois queria ter mais um filho... Mas enfrentei mais uma vez e tive novamente uma guerra mas mais uma vez ganhei o inimigo! Hoje sou casada e o meu marido tem uma filha que foi adotada. Por isso às vezes estes tortuosos caminhos têm uma explicação mais tarde. Sou uma mulher feliz! Tenho um marido que me aceita tal como sou... Por isso a força, a coragem, a calma e o entendimento são as nossas armas para combater o inimigo, companheiras de luta muita coragem e força!
Voltar

Outros Testemunhos

  • A primeira vez que ouvi a palavra cancro tinha onze anos e foi quando perdi o meu pai. Estávamos em 1975 e na época o cancro era chamado de "doença...margarida ferreira, 51 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Faz dois anos (2010) em que foi diagnosticado um cancro no peito da minha esposa, não aceitou o problema que tinha e mentiu. Lembro como se fosse hoje: fui...JOAO, 36 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Quando estamos perante o diagnóstico de cancro, em nós ou nos nossos entes queridos, tudo à nossa volta parece desmoronar-se e subitamente sentimo-nos...Maria, 55 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Aprendi, durante o tempo em que estive doente, que cancro não é sinónimo de morte, mas sim sinónimo de luta!Apesar de ficarmos curadas, nunca mais...Custódia Esturra, 43 anos, Mama, 1995Ler mais
  • Eu tive cancro de mama. Quando soube, foi como se se abrisse um poço sem fundo, mas consegui com a força de amigos e família. Por isso, digo a quem tem...Graciete Santos, 38 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Exercendo a profissão de Professora do 1º Ciclo do Ensino Básico na minha aldeia, sempre realizei os exames de rotina no período de férias, a fim de...Maria Ferreira, 55 anos, Mama, 2004Ler mais
Apoios & Parcerias