Voltar

Fátima Bernardo

47 anos Mama, 2007, Doente
Decorridos oito anos, ainda consigo trazer para o papel um percurso duro na sua essência mas repleto de força, a força que nos chega das gargalhadas que se dão, que se deram, que se entregaram e se multiplicaram.Ninguém jamais saberá qual a percentagem de força de que somos feitos. Jamais será possível exigir, esperar, estar preparado para receber tremenda notícia.De repente é como se o mundo parasse, e tentássemos, antes que ele volte a girar, alterar aquela frase “Tem cancro e é muito grave”!A frase não se altera, mas tudo em redor assume contornos diferentes, nítidos na sua verdade, meia que irreal. Fica-se com uma sensação de dormência…A música é também nestas alturas um porto de abrigo seguro, nas palavras e melodia que contem e que parece por instantes fazer parte da nossa dor. Passei a festejar em silêncio, na maioria das vezes, várias datas, como se de um aniversário se tratasse.Digo uma frase que arrepia: "Diverti-me no IPO...", "Como é isso possível?", dizem os poucos que têm coragem. É a essa possibilidade que teimo em chamar esperança.Há uma alegria genuína que é possível sentir, neste caminho, feita da tal força que me fez viver, lutando com uma gargalhada de surpresa a cada instante.Todos podemos acreditar.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Perdi a minha irmã em outubro de 2010, com 37 anos. Certamente não é um caso de sucesso como gostaria de partilhar mas a vida, infelizmente, não é só...Irene Silva, 47 anos, Mama, 2008Ler mais
  • “Há coisas que se podem escrever quando já não dói ...”Não há datas mágicas, mas já lá vão cinco anos.No dia 18 de janeiro de 2006, ouvi a...Graça Luzia, 49 anos, Mama, 2005Ler mais
  • A primeira vez que ouvi a palavra cancro tinha onze anos e foi quando perdi o meu pai. Estávamos em 1975 e na época o cancro era chamado de "doença...margarida ferreira, 51 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Corria o mês de Julho, quando a minha mãe foi solicitada para realizar o rastreio do cancro da mama. Ao princípio recusou, na verdade, nunca gostou de...Joana Rocha, 18 anos, Mama, 2012Ler mais
  • Conheci o cancro na primeira pessoa há um ano atrás. Há um ano e um mês que convivo diariamente com ele, trato-o por tu, mas recuso-me a deixar que ele...Anita Chouriço, 39 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Em Novembro 2016 e sem sequer imaginar o que estaria por vir deparei-me com um diagnóstico devastador... Estava sozinha só eu e a...Elisabete Duarte, 41 anos, Mama, 2016Ler mais
Apoios & Parcerias