Voltar

Fátima Bernardo

47 anos Mama, 2007, Doente
Decorridos oito anos, ainda consigo trazer para o papel um percurso duro na sua essência mas repleto de força, a força que nos chega das gargalhadas que se dão, que se deram, que se entregaram e se multiplicaram.Ninguém jamais saberá qual a percentagem de força de que somos feitos. Jamais será possível exigir, esperar, estar preparado para receber tremenda notícia.De repente é como se o mundo parasse, e tentássemos, antes que ele volte a girar, alterar aquela frase “Tem cancro e é muito grave”!A frase não se altera, mas tudo em redor assume contornos diferentes, nítidos na sua verdade, meia que irreal. Fica-se com uma sensação de dormência…A música é também nestas alturas um porto de abrigo seguro, nas palavras e melodia que contem e que parece por instantes fazer parte da nossa dor. Passei a festejar em silêncio, na maioria das vezes, várias datas, como se de um aniversário se tratasse.Digo uma frase que arrepia: "Diverti-me no IPO...", "Como é isso possível?", dizem os poucos que têm coragem. É a essa possibilidade que teimo em chamar esperança.Há uma alegria genuína que é possível sentir, neste caminho, feita da tal força que me fez viver, lutando com uma gargalhada de surpresa a cada instante.Todos podemos acreditar.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Venho por este meio deixar o meu testemunho e pedir a quem sofre deste tipo de doença, que vem sem avisar e se instala sem nós estarmos preparados, que...Manuela Miller, 47 anos, Mama, 1998Ler mais
  • Olá!Nos últimos seis anos tive a experiência mais marcante e devastadora da minha vida, mas também o renascer da esperança a cada tratamento e a cada...Ana Cristina, 47 anos, Mama, 2007Ler mais
  • Era uma vez... E como todas as histórias, a minha poderia começar assim, como as tradicionais! Sim, dado que amava de paixão iniciar o dia com “Era uma...Maria Macedo, 53 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Tenho cancro da mama, diagnosticado há cerca de um ano. Acho muito importante a partilha de experiências, pois muitas das vezes aqueles que nunca viveram...Isa, 46 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Chamo-me Eduardo Marques. 38 anos. Vendedor. Um homem, como outro qualquer. Com uma diferença para muitos outros, que o torna menos igual entre iguais -...Eduardo Marques, 38 anos, Mama, 2013Ler mais
  • Após uma consulta de rotina de ginecologia, e consequente mamografia, foi-me diagnosticado carcinoma da mama no dia 27 de julho de 2012. Esse dia foi, sem...Cristina Caeiro, 41 anos, Mama, 2012Ler mais
Apoios & Parcerias