Voltar

Fernanda Malanho

39 anos Linfoma Não Hodgkin, 1999, Doente
A 11 de setembro de 1999, após uma entrada no Hospital com uma dor torácica, foi-me diagnosticado, após algumas horas de exames, linfoma não Hodgkin, situado no coração, metástases na omoplata que me privava de movimentos. Após cirurgia apenas para remoção do nódulo no pescoço e limpeza na axila, acordei com a fria notícia de cancro, o meu mundo parecia desabar, 10 a 20% de hipóteses! As minhas angústias e interrogações duraram apenas 1 dia, baixar os braços não era para mim, vou concentrar-me nos 80%. Não, prefiro os escassos 20% de força, determinação e força positiva. Os tratamentos de quimioterapia não foram fáceis, os exames permanentes e rotineiros já se tornavam uma maçada, a minha teimosia levou-me a fazer a radioterapia também durante 1 mês. Já quando a quimioterapia parecia não dar resultados, transplante de medula? Isso assusta, mas a vida é feita de altos e baixos e pedras que se cruzam no nosso caminho. Há que pensar positivo, ao fim de 6 longos e angustiantes meses, debilitada física e já quase mentalmente, finalmente a boa notícia! Não havia evolução e podia finalmente respirar de alívio, foram ainda meses longos de recuperação, ainda estou com vigilância de 6 em 6 meses mas neste ano em que julgava não chegar aos meus 30 anos de vida, com a força e determinação, coragem e apoio da família, marido, filha que na altura tinha 6 anos e os amigos: aqui estou! Ainda mais cheia de garra, força e uma energia brutal que ninguém pára! Vivo apenas um dia de cada vez, não antecipo problemas e dou mais valor a quem me rodeia! Força e coragem a todos aqueles que julgam que tudo se perdeu... afinal ganha-se muito! Que os anjos vos protejam.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Olá, eu tive um linfoma-marginal no pescoço. No início, foi difícil aceitar o diagnóstico, mas por incrível que possa parecer, as primeiras palavras...luis frazao, 45 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2007Ler mais
  • O cancro pode derrubar sonhos e impossibilitar projetos. Mas também pode ajudar a crescer e a ver a vida de uma perspectiva totalmente diferente.Tudo...Susana Lino, 42 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2004Ler mais
  • Lembro-me perfeitamente... Memórias não me faltam... Mas, atualmente, raramente penso nelas... Não sinto necessidade! O meu único objetivo aqui e agora...Susana, 41 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2004Ler mais
  • Sou filha de uma doente oncológica, desde 1984, tinha eu 9 anos e a minha irmã 6, quando vimos a nossa mãe doente e ser encaminhada...Manuela Martins, 45 anos, Linfoma Não Hodgkin, 1984Ler mais
  • Só quem vive na pele sabe o sofrimento, a dor, o crescimento e a transformação.Ter o diagnostico de um linfoma este ano fez-me...Claudia Matos, 44 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2019Ler mais
  • Hoje vivo uma vida normal: tenho 33 anos, estou na faculdade, trabalho e tenho três maravilhosos filhos. Mas, em 2008 (na época tinha 24...Ediléia Marcão, 33 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2008Ler mais
Apoios & Parcerias