Porque quem precisa, precisa de nós!

Contribua com o seu donativo
Voltar

Fernando Simões

48 anos Estômago, 2013, Doente
Cancro! Sentença de morte ou uma doença que deve ser enfrentada como qualquer outra?Em julho de 2013, fui realizar uma TAC abdominal a pedido da minha médica de família.Dois dias depois fui levantar o exame e quando li o relatório que acompanhava a TAC senti tudo a desmoronar-se à minha volta e nem sequer sabia o que fazer ou pensar. Diagnóstico: sarcoma.Após a interiorização da situação e de mostrar o exame e relatório à minha médica de família, começou uma nova luta.Tirar o nódulo que me tinha sido detetado junto ao estômago o mais rápido possível porque não era cá o lugar dele. Consulta de urgência marcada para o IPO. No entanto, antes de isso acontecer, comecei a estabelecer contactos e fui visto noutro hospital por um gastroenterologista e no espaço de dois dias tinha todos os exames efetuados e cirurgia marcada nesse hospital.Fui internado e podem acreditar que nunca estive tão calmo e sereno como nessa altura. Não senti qualquer ansiedade ou nervosismo e até adormeci enquanto esperava à porta do bloco operatório.Lembro-me de entrar no bloco operatório e pensar que finalmente me iam tirar algo que não tinha que estar no meu estômago.No recobro, quando recebi a visita da minha esposa e a vi a chorar, não me fui abaixo e continuei a acreditar que ia ultrapassar isto.Resultado: tiraram-me dois terços do estômago e um nódulo que foi para análise.Após 11 dias internado e uma recuperação lenta e difícil para me habituar novamente a comer, aguardei calmo e sereno o resultado da análise. De vez em quando pensava no assunto e já estava mentalizado para fazer quimioterapia ou radioterapia. Tinha era que avançar.No dia 23 agosto fui à consulta e soube finalmente o que tinha. Um cancro denominado GIST. Foi uma explosão de alegria e renasci para a vida pois, apesar de ser um cancro, não é muito agressivo e tem um tratamento com quimioterapia oral (…). Emagreci bastante e perdi muita massa muscular. Voltei a praticar o meu desporto regularmente e não desisti.Tudo isto para resumir que não devemos desistir e devemos sempre acreditar que é possível ultrapassar uma fase menos boa e que o cancro também pode ser vencido.E na minha ótica e, não menos importante, penso que se deve falar sobre a situação sem qualquer problema. Nunca senti revolta contra ninguém (porque ninguém teve culpa do que me aconteceu), nem me culpabilizei. Apareceu e pronto. Há que resolver e avançar.Nesta fase, sinto uma enorme vontade de viver e cada dia é especial e deve ser vivido como tal.Podem dizer "tiveste sorte com o cancro". Sim. Talvez tenha tido mas nunca desisti e acreditei sempre.Para todos aqueles que sofrem com o cancro os meus votos sinceros de rápidas melhoras e acreditem sempre.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Quero partilhar com o mundo a minha felicidade, vai fazer 5 anos no dia 4 abril de 2013 que fui submetida a uma gastrectomia total do estomago...Vera Ideia, 45 anos, Estômago, 2008Ler mais
  • Em junho de 1998 foi diagnosticado ao meu pai cancro no estômago. Quando soubemos do diagnóstico foi como se o mundo estivesse a desabar sobre nós......sonia ramos, 33 anos, Estômago, 1998Ler mais
  • Fui operada no dia 4-4-2008, fiz uma gastrectomia devido à agressividade de um carcinoma no estômago, que me foi retirado por completo! Hoje, passados 3...Vera Ideia, 42 anos, Estômago, 2008Ler mais
  • Em abril de 2006, tinha 40 anos, uma gastrite e muito stress na minha vida profissional. O meu médico comunicou-me que eu tinha um tumor maligno...Maria Soares, 49 anos, Estômago, 2006Ler mais
  • Em março de 2015 fiz uma endoscopia alta ao estômago (...) e fui diagnosticado com um tumor maligno. Fiquei internado 12 dias. Não houve...Pedro Romeiras, 54 anos, Estômago, 2015Ler mais
  • Sou a Vera, tenho 32 anos e aos 28 anos foi-me diagnosticado um tumor no estômago. Ao fim de mais ou menos um ano apareceram metástases no fígado e agora...Vera Panão, 32 anos, Estômago, 2007Ler mais
Apoios & Parcerias