Voltar

Graça Luzia

49 anos Mama, 2005, Doente
“Há coisas que se podem escrever quando já não dói ...”Não há datas mágicas, mas já lá vão cinco anos.No dia 18 de janeiro de 2006, ouvi a sentença, nas palavras do médico: “A senhora tem um nódulo, a imagem não engana, é maligno”. Deu-se um apagão, o meu mundo ficou às escuras, o médico continuou a falar sobre o que se seguiria, (cirurgia, tratamentos...), mas eu já não o ouvia, as lágrimas teimavam em cair, eu disfarçava a todo o custo, procurando desesperadamente demonstrar uma força que já não tinha. Os dias seguintes foram terríveis, os meus pensamentos iam para os meus filhos, com 14 e 6 anos na altura, eles precisavam tanto de mim. A ideia da morte, que sempre associamos ao cancro, pairava sobre mim e tive medo, muito medo! Quando expliquei aos meus filhos que tinha cancro, escolhi as palavras adequadas à idade deles, mas não lhes ocultei a gravidade da situação. Olharam me nos olhos e perguntaram- me: “ Mas a mãe vai ficar boa?” E eu respondi: “A mãe vai ficar boa. Prometo.” E naquele preciso momento, decidi que tinha que cumprir a promessa e decidi lutar contra um “gigante”, numa luta muitas vezes desigual, mas que até hoje estou a vencer. Ao longo destes cinco anos, houve, a mastectomia, a quimioterapia, o mal-estar provocado pelos tratamentos, a queda do cabelo, o medo, a angústia, mas também houve e continua a haver muita força, muita vontade de viver. E quando me perguntam, de onde vem essa força, eu respondo: dos meus filhos maravilhosos - do meu marido - da minha família - dos meus amigos. Amanhã? Amanhã é outro dia. Outro tempo. Um dia e um tempo que ninguém conhece!
Voltar

Outros Testemunhos

  • E um dia tudo muda... Estudava para um teste de psicologia quando a minha mãe entrou em casa de olhos baixos, era qualquer coisa, não sabia bem, vieram as...Sandra Jorge, 34 anos, Mama, 1995Ler mais
  • Tinha 30 anos, uma vida inteira pela frente e a certeza de que iria ver a minha filha, que na altura tinha 2 anos, a crescer. Um dia, no duche, senti um...Ana Marques, 32 anos, Mama, 2011Ler mais
  • No dia em que recebi a confirmação médica senti várias emoções como tristeza, medo, revolta... Parecia que o mundo...Laura Moreira, 55 anos, Mama, 2017Ler mais
  • Perdi a minha irmã em outubro de 2010, com 37 anos. Certamente não é um caso de sucesso como gostaria de partilhar mas a vida, infelizmente, não é só...Irene Silva, 47 anos, Mama, 2008Ler mais
  • Foi-me detetado carcinoma de mama em novembro de 2010, com cirurgia em 01/02/2011 no IPO. Após resultado patológico, verificou-se que teria que ser...Adília Silva, 50 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Em outubro de 2011, o meu mundo foi abalado com a palavra que mais temia desde criança: cancro na mama. A minha madrinha e a minha mãe faleceram há mais...Sónia Pereira, 35 anos, Mama, 2011Ler mais
Apoios & Parcerias