Voltar

Isabel Lobo

39 anos Cérebro, 2008, Doente
Tinha 30 anos quando descobri pela primeira vez que tinha cancro cerebral. Estava a conduzir quando tive uma crise convulsiva e desmaiei. Se o meu marido não fosse comigo no carro poderia não ter sobrevivido.
Foi-me diagnosticado um oligodendroglioma grau II. Fui operada passadas 2 semanas e fiquei bem. O neurocirurgião que me operou disse que tinham removido o tumor por completo mas não conseguia garantir que não voltaria a crescer.
Andei bem durante 4 anos, sempre acompanhada, fazendo ressonâncias semestralmente até que, em 2012, voltou a aparecer. Nova cirurgia e novamente tudo bem mas mais uma vez sem garantias de que não regressaria. Os médicos optaram por não me submeter a radioterapia nem a quimioterapia pois, além de ser jovem para submeterem o meu cérebro a tratamentos tão fortes, como é um tumor de crescimento lento e como fazia RM frequentemente, seria sempre possível detetá-lo a tempo de operar.
Mais 3 anos passaram e em Julho de 2015 voltou a manifestar-se, mais uma intervenção cirúrgica e tumor removido de novo, só que dessa vez, para não facilitar mais, o neurocirurgião decidiu que iriamos fazer radioterapia e quimioterapia. Acabo esta semana a última sessão de quimioterapia e vou fazer nova RM para ver como está. As ressonâncias têm mostrado uma evolução favorável na eliminação dos vestígios tumorais que poderiam despoletar novo tumor.
Mas, apesar de todas as contrariedades da vida, estou viva, tenho 2 filhos lindos, o mais novo nasceu em 2012, 4 meses antes de eu saber que iria ser operada novamente. Tenho também uma menina de 12 anos. Os meus filhos são a minha vida e estes obstáculos todos que a vida me tem dado são ultrapassados a pensar neles e no meu marido que precisam que eu esteja bem para eles. São eles a minha força e, penso eu, a razão por que Deus me tem ajudado tanto a enfrentar este problema.
Como se costuma dizer, à terceira é de vez. É agora que fico curada e não volta mais a aparecer. Força!
É preciso muita força e coragem para enfrentar cada cirurgia, cada dia, cada tratamento...
 
Voltar

Outros Testemunhos

  • Percorri com atenção os diversos testemunhos aqui apresentados e não consegui, de certo modo, chegar a uma conclusão: não há aqui testemunhos de...Maria Edite, 54 anos, Cérebro, 2001Ler mais
  • Há 9 anos foi diagnosticado, à minha irmã mais velha, um cancro na cabeça. Depois de uma luta que não foi justa, e depois de muito sofrimento, partiu...carla, 35 anos, CérebroLer mais
  • Uns dias antes de completar 44 anos, e 4 anos depois de passar por um carcinoma da tiroide, nunca pensei que a vida me fosse desafiar desta forma....Paula, 44 anos, Cérebro, 2018Ler mais
  • A 3 de Janeiro de 2009 acordei com a minha mulher, Marta Alexandre, a sofrer uma crise convulsiva, foi um dos maiores sustos da minha vida. Chamei de...Paulo Bastos, 39 anos, Cérebro, 2009Ler mais
  • Em 2001, com 29 anos, tive uma convulsão epilética, sem saber o que era assustei-me e fui levada para o hospital. Fiz uma TAC seguida de RM, mostraram um...catarina Hnriques, 40 anos, Cérebro, 2001Ler mais
  • A doença oncológica sempre me aterrorizou. O meu pai, falecido há 19 anos, teve uma leucemia linfocítica crónica. Doente cardíaco, os médicos nunca o...Anabela Cardoso, 48 anos, Cérebro, 2010Ler mais
Apoios & Parcerias