Porque quem precisa, precisa de nós!

Contribua com o seu donativo
Voltar

Ivelice Gonçalves

38 anos Estômago, 2009, Doente
Todos me conhecem por Ive. Continuo a ser a "Ive" que todos conheceram, ainda com alguns medos, mas mais forte e muito mais decidida. Com 34 anos, numa endoscopia de rotina foi revelada a presença de um carcinoma. Na época, fiquei muito abalada e triste mas até nem me pareceu muito surpreendente porque a minha avó paterna e o meu pai foram vítimas desta doença e, neste caso específico, de cancro gástrico. Fui submetida a uma gastrectomia total. Não existiram complicações e a recuperação foi relativamente rápida. A minha força de vontade era gigantesca e durante esse tempo preparei-me para o pior. Mas, felizmente tive alta sabendo que a cirurgia tinha sido curativa e que não precisava de quimioterapia, nem de radioterapia. Fiquei muito, muito feliz! Um pouco aliviada! Havia uma grande esperança de ficar curada! Perdi 8 Kg, mas estava estabilizada, a recuperar e a conhecer o meu novo aparelho digestivo. Mesmo assim, fiquei sempre muito apreensiva e optei por fazer os tratamentos de quimioterapia e radioterapia. Fiquei internada e recuperei algumas forças, tive alta. Cheguei a ter 40 Kg! Chorei muito. Tornei-me egoísta e individualista. Fiquei intolerante, arrogante e insolente. Achava que ninguém me compreendia e que me tinham abandonado. Disse disparates. Maltratei pessoas que me amavam. Por momentos, esqueci que tinha uma filha. Divorciei-me. Enfim, em dois anos e meio de obsessão, não morri de cancro, mas perdi muita coisa importante da minha vida que, se calhar, nunca mais vou recuperar. Foi um processo muito moroso de restabelecimento. Continuo a fazer os meus exames de rotina e mais alguns. Continuo a trabalhar e continuo a ser mãe, boa mãe. Todos continuam do meu lado porque nunca me abandonaram! Sou feliz, não na plenitude, mas para lá caminho. Sou voluntária da Liga Portuguesa Contra o Cancro e pela vida, vivo! E continuo porque ainda tenho muitos sonhos e realidades para viver. Nunca desistir, para poder sorrir!
Voltar

Outros Testemunhos

  • Sou a Vera, tenho 32 anos e aos 28 anos foi-me diagnosticado um tumor no estômago. Ao fim de mais ou menos um ano apareceram metástases no fígado e agora...Vera Panão, 32 anos, Estômago, 2007Ler mais
  • Olá, o meu nome é Mónica, tenho 36 anos e sou mãe de dois seres maravilhosos, o Dinis (6 anos) e a Diana (20 meses). Diagnosticaram-me cancro gástrico...monica teixeira, 36 anos, Estômago, 2011Ler mais
  • Eu sei que não passei pela dor de ter cancro mas e aqueles que assistem à dor daqueles que têm cancro? Eu não estou a dizer que isso é pior... Mas...Cláudia, 14 anos, Estômago, 2007Ler mais
  • A minha amada mãe realizou a endoscopia em novembro de 2014 e, nesse mesmo dia, ficámos a saber que tinha sido detetado um tumor do estômago. Foi feita a...margarida costa, 26 anos, Estômago, 2014Ler mais
  • O cancro no meu estômago foi descoberto numa visita à minha médica de família. Eu sofria muito de reumatismo e crises de gota... Numa das consultas...Manuel Sousa, 64 anos, Estômago, 2010Ler mais
  • Faz precisamente hoje 9 anos que perdi a minha mãe para esta doença que mudou por completo a minha vida e da minha família. Lembro-me bem dela, cheia de...Felícia Macedo, 22 anos, EstômagoLer mais
Apoios & Parcerias