Voltar

Joaquim Moreira

36 anos Pulmão, 2005, Familiar
Vivi intensamente esta doença através do meu pai a quem foi diagnosticado um cancro pulmonar em 2005. Venceu algumas batalhas mas a sua luz apagou-se em 2007. Até lá, o meu pai nunca baixou os braços e enfrentou o “bicho” de frente, sem medo. Quando eu o levava aos tratamentos, dizia-me sempre a mesma coisa: “vamos lá, eu não tenho medo, eu nasci para isto”. Fez tratamentos num Hospital onde foi muito bem tratado, quer pelo staff médico quer pelos auxiliares, e todos eles sabiam o nome do meu pai, não era apenas o doente da cama X, não era um número, era uma pessoa, era o Luís. Neste hospital, o meu pai Luís era conhecido por dar ânimo aos outros doentes, as gargalhadas que soltava e fazia soltar, as piadas “sacanas” que contava aos outros doentes e técnicos. O meu filho nasceu em julho de 2007 e o meu pai faleceu em agosto de 2007, felizmente conheceu o neto, muitos me disseram que era disso que ele estava à espera. Não recordo o dia da morte do meu pai, apenas recordo o meu pai todos os dias, a vida que viveu intensamente, sem arrependimentos. Tenho muitas saudades dele. Por ser meu pai, por ter lutado até ao fim, o Luís será sempre o meu herói. Bem hajam todos.
Voltar

Outros Testemunhos

  • O meu tio (a quem eu era muito chegada) teve cancro do pulmão. A primeira vez, ele lutou e conseguiu vencer. Mas acabou por voltar. Eu (antes de sabermos...Adriana S.M, 14 anos, PulmãoLer mais
  • A 9 de março de 2010 foi-me comunicado que sofria de uma neoplasia do pulmão - carcinoma de pequenas células, estadio IV, metastizado na pele,...Maria Góis, 38 anos, Pulmão, 2010Ler mais
  • Foi-me diagnosticado um tumor no pulmão esquerdo em julho de 2009. Foi-me dito que apenas se poderia fazer tratamento, pois a cirurgia era inviável devido...Augusto Lourenço, 70 anos, Pulmão, 2009Ler mais
  • Este ano civil está a terminar. Como foi doloroso viver cada um dos dias que passaram. Quando olho para trás, vejo que estando viva, quis deixar de...Ana Antunes, 48 anos, Pulmão, 2006Ler mais
  • Passaram três anos desde que o meu marido partiu. Já vivi 1114 dias sem a sua presença física. Foram dias muito duros. Foram dias em que mostrei uma...Ana Antunes, 47 anos, Pulmão, 2006Ler mais
  • Esta é a batalha que nunca nos imaginamos a passar. São coisas que vemos acontecerem a outros, temos pena, mas não imaginamos o...Ana Oliveira, 18 anos, Pulmão, 2015Ler mais
Apoios & Parcerias