Porque quem precisa, precisa de nós!

Contribua com o seu donativo
Voltar

Manuela Miller

47 anos Mama, 1998, Doente
Venho por este meio deixar o meu testemunho e pedir a quem sofre deste tipo de doença, que vem sem avisar e se instala sem nós estarmos preparados, que não desistam. Em 1998, depois de ter verificado que tinha um caroço muito pequeno junto a minha axila do lado esquerdo, fui ao médico que me disse que em princípio não era nada de especial e que me retirava sem qualquer tipo de problema, salvaguardo aqui que o médico que me fez tal operação foi a minha salvação porque ao contrário do que ele previa o nódulo foi para ser diagnosticado e quando veio o resultado era maligno. Tudo ficou negro à minha volta. Tinha 33 anos, um filho com 6 anos e ainda tinha tanto para fazer que não queria que a minha vida acabasse ali naquele momento. Foi-me alertado da pior forma o que me podia acontecer com o pior cenário. Custou-me muito porque além de ter de me submeter a uma cirurgia para limparem a axila com a possibilidade de retirar o peito, ainda ia fazer quimioterapia onde iria ficar completamente careca. Depois de todos os conselhos médicos resolvi fazer tudo direitinho: operação, quimioterapia, radioterapia e ainda injeções nos ovários durante 3 anos. Por fim era a tomada do tamoxifen. Foi uma fase difícil mas afinal o cenário até foi menos doloroso. Fiz tudo direitinho e correu tudo bem. Não consigo explicar o que sentimos mas depois disto nada fica igual. Agora, há 3 anos suspeitaram de algo nos ovários e por isso tive que fazer uma conização. O resultado foi negativo mas tenho que vigiar. Mas tudo isto traz muito medo. Uma simples ecografia assusta, não posso mentir e dizer que não tenho medo de um simples exame médico, uma simples análise. Porque trata-se e cuida-se quando é detetado a tempo mas é doloroso psicologicamente o entretanto. Passado isto, a vida continua e com outra visão.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Aos 32 anos, a vida sorri-nos todos os dias, principalmente quando temos um bebé a crescer dentro de nós, de repente perdemos esse bebé, por fatores...Marlene Duarte, 32 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Ao fim da tarde de 24 de dezembro de 2004, fiquei a saber que tinha cancro da mama. Um “belíssimo” presente de Natal! Fiz mastectomia, quimioterapia...Cláudia, 46 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Com 39 anos, sem saber porquê, sem sequer ter feito mamografias, fiz uma mastectomia radical a um peito. Hoje passados 34 anos aqui estou bem graças a...Maria gambino, 72 anos, Mama, 1979Ler mais
  • Faz precisamente três anos que o mundo desabava em cima de mim: "A D Silvia tem cancro da mama....". Não! Era engano! Tinha que...Silvia Miranda, 46 anos, Mama, 2015Ler mais
  • É verdadeiramente assustador receber a noticia de que temos cancro.O mundo pára. Por momentos perdi a noção real das coisas....Maria Neves, 58 anos, Mama, 2019Ler mais
  • Foi-me diagnosticado um tumor maligno em 2007 fui operada e foi-me tirado o peito. É uma luta grande que se tem que enfrentar, não há volta a dar vamos...Debora Krippahl, 51 anos, Mama, 2007Ler mais
Apoios & Parcerias