Voltar

Mara Borges

38 anos Mama, 2007, Doente
Eu descobri que tinha um nódulo com características suspeitas na mama em novembro de 2006, tinha 25 anos. Na altura guardei segredo, porque tinha uma viagem de férias programada com o meu marido e aquela podia ser a minha última oportunidade de ser feliz, antes de confirmar a suspeita da doença.
No dia em que regressei das férias, finalmente, contei ao meu marido e aí começou a minha jornada. Consultas, exames, biopsias e, a 12 de março de 2007, a confirmação de ter cancro. Naquele momento pensei que o mundo tinha desabado sobre mim, mas não podia deixar que ninguém o percebesse. Tinha que ser eu a dar força aos que me rodeavam. A 21/março fiz mastectomia radical e a 30/abril a 1ª de 6 sessões de quimioterapia.
Em Maio de 2008, descobri que estava gravida, ainda nem tinha passado um ano do final dos tratamentos. Aquela gravidez não tinha sido planeada, até porque eu sabia que não podia engravidar dentro de cinco anos, mas a partir do momento que ouvi o seu coraçãozinho bater, soube que desejava muito aquele bebe. Os médicos que me acompanhavam estavam completamente contra aquela gravidez e fizeram-me ver que o desfecho podia não ser o mais feliz para mim. Mas eu não fui capaz de abrir mão da ideia de ser mãe. Porque embora pudesse não ter a hipótese de ver o meu filho crescer, era um pedacinho de mim que cá ficava.
O meu filho nasceu a 20 janeiro de 2009. Foram tantas as emoções e duvidas que me invadiram naquele dia. Seria uma boa mãe? Teria tempo para ser mãe e ver o meu filho crescer? Tinha medo de não ter tempo. Mas ao olhar para ele tive a certeza de que tudo iria correr bem. Os seus olhos diziam-me que nada tinha sido em vão e que aquele era um recomeço para as nossas vidas, já muito amarguradas.
E foi o recomeço!
Foi ele o portador das boas notícias, como estava tudo bem comigo possivelmente estaria curada!
O cancro não destrui a minha vida, mas sim fortaleceu.
Neste momento posso olhar pra trás e ver que superei tantas barreiras, passei por sofrimentos da vida e consegui levantar a cabeça e sair do fundo do poço, aceitando os meus defeitos e reconhecendo as minhas virtudes!
Descobri que a minha felicidade não depende de ninguém além de mim mesma!
Vejo a vida como quem vê o mar, pois quem olha o mar de qualquer ponto não consegue ver a sua imensidão. Nada será da forma que já foi um dia é muito importante agarrarmos todas as oportunidades que a vida nos dá e principalmente fazer de tudo para realizar todos os nossos sonhos.
Já passaram 12 anos, naquele momento só queria que o tempo passasse depressa. Agora peço que passe bem devagarinho para poder aproveitar tudo o que tenho de melhor, um marido maravilhoso, dois filhos fantásticos e um monte de sonhos que ainda quero realizar.
É verdade, sobrevivi e estou aqui para contar a história!
E termino com um pequeno texto de Dalai Lama, em que lhe perguntaram:
“O que mais te surpreende na Humanidade?” E ele respondeu: “Os homens … Porque perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem do presente de tal forma que acabam por não viver nem o presente nem o futuro. E vivem como se nunca fossem morrer… … e morrem como se nunca tivessem vivido.”
Voltar

Outros Testemunhos

  • Sou uma mulher de entre tantas que, de um momento para o outro, sentiram a sua vida virada do avesso ao ser-me diagnosticado um cancro na mama. Tinha 39...Ana Costa, 45 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Tinha 42 anos, um marido maravilhoso, dois filhos lindos de 17 e 12 anos, família e amigos e nada me fazia desconfiar do que estava para vir. Fui fazer...Maria Soares, 43 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Com apenas 28 anos de idade, em agosto de 2005, num autoexame descobri um pequeno caroço que se veio a confirmar ser um carcinoma. Como podem calcular foi...Gisela Marmelo, 34 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Venho por este meio deixar o meu testemunho e pedir a quem sofre deste tipo de doença, que vem sem avisar e se instala sem nós estarmos preparados, que...Manuela Miller, 47 anos, Mama, 1998Ler mais
  • Chamo-me Rosa, tenho 49 anos. Em agosto de 2010 foi-me diagnosticado um carcinoma invasivo da mama de grau III. Passei por 6 sessões de quimioterapia com...Rosa pereira, 49 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Perdi a minha irmã em outubro de 2010, com 37 anos. Certamente não é um caso de sucesso como gostaria de partilhar mas a vida, infelizmente, não é só...Irene Silva, 47 anos, Mama, 2008Ler mais
Apoios & Parcerias