Voltar

Maria

55 anos Mama, 2010, Familiar
Quando estamos perante o diagnóstico de cancro, em nós ou nos nossos entes queridos, tudo à nossa volta parece desmoronar-se e subitamente sentimo-nos perdidos no meio da tempestade, algures no deserto. O grande milagre é acreditar que vamos conseguir ter força para sair dali. Temos emergência em encontrar alguém (talvez um anjo) que nos resgate, que nos tire da tempestade e nos leve para um clima de tranquilidade, confiança e esperança. Foi isto que senti em 2010 quando soube do diagnóstico de cancro da mama na minha mãe e a equipe de anjos (de saúde) que nos socorreu foi fantástica. A todos os profissionais de saúde que nos ajudaram ficarei eternamente grata e agradeço a Deus (ao meu) pelo dom que lhes dá por tão bem saberem ajudar os outros em situações de catástrofe física e emocional. A minha mensagem é de esperança e acreditem em algo (Deus, Vida ou outra coisa) porque isso dá força para continuar no nosso caminho.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Mal eu sabia o que me ia acontecer faz hoje um ano. Tudo começou no início de fevereiro de 2012, primeiro a descoberta do nódulo, o que me deixou logo...Vera Pedro, 34 anos, Mama, 2012Ler mais
  • Chamo-me Rosa, tenho 49 anos. Em agosto de 2010 foi-me diagnosticado um carcinoma invasivo da mama de grau III. Passei por 6 sessões de quimioterapia com...Rosa pereira, 49 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Visito com bastante frequência o site da Liga Portuguesa Contra o Cancro e costumo ler os testemunhos deixados por outras pessoas, que tal como eu,...Maria Pires, 57 anos, Mama, 2007Ler mais
  • Vencer a Luta contra o Cancro.Essa luta tem várias frentes, missões e objetivos e cada um de nós pode dar o seu contributo para que...Ana Borges, 53 anos, Mama, 2001Ler mais
  • Venho por este meio deixar o meu testemunho e pedir a quem sofre deste tipo de doença, que vem sem avisar e se instala sem nós estarmos preparados, que...Manuela Miller, 47 anos, Mama, 1998Ler mais
  • Em fevereiro de 2011, foi-me diagnosticado cancro da mama. Nunca pela cabeça me passou que iria morrer, não podia, tenho duas filhas e um marido...Ana Rosa, 44 anos, Mama, 2011Ler mais
Apoios & Parcerias