Voltar

Maria Cristina Marques da Fonseca Oliveira

52 anos Mama, 2008, Doente
Com 48 anos, robusta e saudável, fui fazer a mamografia e ecografia de rotina. A demora do médico a observar e a comparar as radiografias, o pedido à auxiliar para uma maior ampliação, foram os primeiros sinais de que alguma coisa não estava bem. Face ao silêncio do médico, consegui, a custo, ganhar coragem e perguntei se havia algum problema. Respondeu vagamente e passámos para a ecografia onde o tempo parecia não ter fim. Penso que não houve um milímetro da mama que não tivesse sido meticulosamente observado. Com os exames concluídos, chegou finalmente o pré-diagnóstico. O médico explicou-me que tinha na mama esquerda micro-calcificações agrupadas cujo contorno e modo como se apresentavam eram indiciadores de malignidade. Explicou-me como devia proceder de forma a que a biopsia fosse feita o mais rápido possível; disse-me que previsivelmente estaríamos frente a uma situação não muito agressiva para mim. Enquanto o médico falava, o consultório tornava-se cada vez mais pequenino. Disse-me que ia de férias mas que deixaria o relatório feito para eu poder avançar com todo o processo. O consultório continuava a diminuir. Explicou-me uma segunda vez. O consultório quase me sufocava e esmagava pois as paredes estavam muito próximas de mim. Abriu a porta e pensei: se voltar a explicar eu fujo; duvido que o conseguiria fazer pois o chão fugia dos meus pés. Vesti-me e pela cara das outras senhoras eu devia estar da cor do papel. Lá fora esperava-me a minha filha, com 22 anos. Era Dia do Pai e tínhamos encomendado um bolo numa pastelaria próxima mas muito conhecida. Fomos buscar o bolo e pelo caminho fui explicando o que se passava comigo. De volta ao carro, com o bolo na mão, a minha filha propôs que seria ela a levar o carro. Mas quando ali chegou teve um ataque de choro; pedi-lhe as chaves e vim a conduzir. Apercebi-me, naquele momento, que conseguiria ter força para enfrentar a situação. Fui eu que, antes de saber o resultado da biopsia, tentei consciencializar o meu marido para o que realmente ia acontecer. O médico foi tão preciso nos pormenores que desde então eu estava consciente de que tinha um cancro e que, de acordo com o que me foi dito e escrito no relatório e aquilo que encontrei em sítios fidedignos na Internet, seria, provavelmente, um carcinoma ductal in situ; mas, para não ser surpreendida, preparei-me para outras hipóteses. Pensei que o meu marido já estaria preparado para o resultado, verifiquei que não. Quando demos a notícia à minha sogra fui eu que tive de lhe dar apoio e consolo e não ela a mim. Com a minha família foi a mesma coisa: eu é que abordava a situação de uma forma direta, com os pés assentes no chão e a cabeça "fora da areia". Quando o consultório não me esmagou e o chão não fugiu dos meus pés, o momento mais dramático para mim, pensei que aquilo que me poderia ajudar era ter uma atitude aberta, positiva e confiante. A força de vontade também valeu. Sou mastectomizada; passado um ano retirei um pequeno nódulo na mama direita; em Setembro de 2012, fui operada ao pulmão direito para retirar um nódulo. De cada vez que sou operada, no final digo sempre: mais uma vez, consegui passarno meio das pingas da chuva sem me molhar. Ando sempre em board-line mas isso não me retira a confiança (…). A prevenção tem de ser vista como um instrumento que nos ajudaa ter uma vida mais saudável, reduzindo o aparecimento de certas doenças. Não significa de todo que com a prevenção nada de mal nos acontece. Claro que sim; mas quanto mais saudável for uma pessoa maior é a probabilidade de ultrapassar uma adversidade que se nos atravesse no caminho (…).
Voltar

Outros Testemunhos

  • Bom dia. Venho dar coragem a todos os doentes que estão a passar por esta doença sem aviso porque, felizmente, tenho uma tia que teve cancro da mama em...Anonimo, 42 anos, Mama, 2007Ler mais
  • A minha irmã (…) foi diagnosticada com cancro. Foi um choque para toda a família... Chorei muitas noites mas nunca à frente dela...Marina, 43 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Neste meu testemunho não é minha intenção descrever os medos, as angústias, os receios ou o desânimo que por vezes teimam em nos perseguir. Tenho por...Maria Peixoto, 37 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Conheci o cancro na primeira pessoa há um ano atrás. Há um ano e um mês que convivo diariamente com ele, trato-o por tu, mas recuso-me a deixar que ele...Anita Chouriço, 39 anos, Mama, 2010Ler mais
  • “Há coisas que se podem escrever quando já não dói ...”Não há datas mágicas, mas já lá vão cinco anos.No dia 18 de janeiro de 2006, ouvi a...Graça Luzia, 49 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Em 2002 foi-me detetado um cancro da mama, onde me foi feita uma mastectomia total direita. Logo ao extraírem a mama foi-me colocado o expansor e passado...Isabel Boleto, 51 anos, Mama, 2002Ler mais
Apoios & Parcerias