Voltar

Maria de fátima Peixoto

37 anos Mama, 2010, Doente
Neste meu testemunho não é minha intenção descrever os medos, as angústias, os receios ou o desânimo que por vezes teimam em nos perseguir. Tenho por convicção que, não sendo diferente de qualquer ser humano, apraz-me dizer que, perante situações avassaladoras a que assisti, reconheço que encarei o problema com alguma frieza, sem nunca me faltar a coragem para vencer. Durante 1 ano o IPO foi a minha casa, admito que cheguei a criar alguma dependência da instituição. Aliás, foi com algum desânimo e ao mesmo tempo receio que encarei o facto de que passava a ter consultas apenas trimestrais! Das pessoas, de algumas guardo algum carinho e gratidão. O que eu sentia é que era mais uma... Essa sensação dói, dada a nossa fragilidade perante o problema. O meu apreço vai inteiramente para os técnicos, os auxiliares, os enfermeiros, esses que se dedicam de corpo e alma. Têm sempre um gesto de carinho, de simpatia. Para eles o meu obrigada, por tudo o que me deram e pelo que me tentaram dar e que eu recusei!
Voltar

Outros Testemunhos

  • Decorridos oito anos, ainda consigo trazer para o papel um percurso duro na sua essência mas repleto de força, a força que nos chega das gargalhadas que...Fátima Bernardo, 47 anos, Mama, 2007Ler mais
  • 1 de junho de 1999, dia da criança. Foi na brincadeira com as minhas filhas que uma delas me tocou no peito e me doeu. Apalpei de imediato o local e...Isabel, 56 anos, Mama, 2001Ler mais
  • Nunca escrevi sobre este assunto em lado nenhum, mas parece-me que o meu testemunho pode dar esperança a outros. No ano 2000, o meu filho, na altura com 2...Maria Ferreira, 50 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Olá. Eu também já lutei contra o cancro da mama, hoje sou uma vencedora pois já passaram 5 anos e dia 23 soube da grande notícia: já fazia parte do...Anónimo, 47 anos, Mama, 2007Ler mais
  • Aprendi, durante o tempo em que estive doente, que cancro não é sinónimo de morte, mas sim sinónimo de luta!Apesar de ficarmos curadas, nunca mais...Custódia Esturra, 43 anos, Mama, 1995Ler mais
  • Em abril de 2010 começou a jornada de exames que culminou em dezembro desse ano com o diagnóstico de cancro da mama. Quando a médica me disse que tinha...Paula Guerra, 39 anos, Mama, 2010Ler mais
Apoios & Parcerias