Voltar

Marina

34 anos Mama, 2010, Doente
Por mais incrível que pareça, a doença foi-me diagnosticada no mês em que comemoramos a luta contra o cancro da mama... Mas começando pelo início para que possam perceber como ingenuamente vamos deixando a doença avançar. Uns meses antes fui a uma consulta de ginecologia, queixar-me que tinha muitas dores no seio e que sentia um caroço. A médica mandou-me retirar a pílula e esperar 3 meses para vermos como evoluía a situação, mas as dores eram tantas que passados 2 meses fui às urgências de um Hospital. Assim que fui observada por 4 profissionais, os quais faziam caras de como não acreditavam no que estavam a ver, mandaram-me imediatamente fazer uma ecografia e mamografia. Nesse mesmo dia, a médica que me havia feito os exames aconselhou-me a fazer uma biópsia. Como era muito urgente poderia fazer nesse mesmo dia e assim foi. Eu estava tranquila, ainda não tinha caído em mim, até começar a fazer a biópsia e ver a médica já a transpirar e olhar com uma cara de incapacidade para a sua assistente. Perguntei o que se estava a passar e foi-me dito: O que a menina aqui tem é tão duro que não sei se vamos conseguir retirar o suficiente para análise, não sei se consegue aguentar. Depois foi uma semana de espera, angústia, medo, mas sempre confiante. Quando fui buscar o resultado no dia 29 de outubro de 2010, o mundo caiu aos meus pés: carcinoma ductal invasivo com 7 cm e 3 gânglios infetados. Assim que a médica terminou, saí da sala e fechei-me na casa de banho com o meu marido que me acompanhava e chorei, choramos, estava perdida com uma menina de 7 anos para criar e sentia a morte ali tão perto que não dava para pensar em mais nada. Mas, de repente, não sei de onde ganhei uma força dentro de mim e disse para o meu marido: Vamos vencer? Assim, seguiram-se mais exames, 6 sessões de quimioterapia, muito dolorosas mas com muita vontade de recuperar, ultrapassámos tudo e todos. Depois cirurgia radical, resultado: retiraram 10 gânglios dos quais seis estavam já infetados e o “bicho” ainda tinha 2 cm quando retirado. Pensei, se consegui diminuir de 7cm para 2cm é porque estou no bom caminho! Bom, seguiram-se mais 3 ciclos de quimioterapia e, não vou mentir, estou um pouco cansada, por vezes revoltada, mas depois penso logo: se veio ter comigo é porque vou conseguir. Deus só dá estas provações a pessoas fortes como eu. Já terminei esta fase, agora aguardo a radioterapia e depois mais tarde a reconstrução. Um segredo muito importante que o meu médico me disse depois de eu estar a agradecer tudo o que tem feito por mim foi: “Para haverem grandes médicos, é necessários termos grandes pacientes”. Tenham muita força, pois isso é o mais importante para a cura...
Voltar

Outros Testemunhos

  • A vida parecia correr às mil maravilhas: pessoa saudável, realizada profissionalmente e com vontade de viver. Até que em agosto de 2009 detetei algo...Maria, 49 anos, Mama, 2009Ler mais
  • Em junho de 1991, depois de uma mamografia, por causa de um pequeno “altinho” na parte inferior da mama esquerda, que teimava em não desaparecer, li no...Gabriela, 57 anos, Mama, 1991Ler mais
  • Nunca escrevi sobre este assunto em lado nenhum, mas parece-me que o meu testemunho pode dar esperança a outros. No ano 2000, o meu filho, na altura com 2...Maria Ferreira, 50 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Poupo-vos os detalhes, o susto, o sofrimento, enfim tudo aquilo por que passam todos os que são confrontados com um qualquer tipo de cancro. A minha...anónimo, 55 anos, Mama, 2009Ler mais
  • Em outubro de 2010 deixei de tomar a pílula para ter outro filhote. Passados alguns dias, no meu trabalho, que era ser operadora de ordenha, senti uma dor...SOFIA FERNANDES, 30 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Com 48 anos, robusta e saudável, fui fazer a mamografia e ecografia de rotina. A demora do médico a observar e a comparar as radiografias, o pedido à...Maria Oliveira, 52 anos, Mama, 2008Ler mais
Apoios & Parcerias