Voltar

Marlene Duarte

32 anos Mama, 2010, Doente
Aos 32 anos, a vida sorri-nos todos os dias, principalmente quando temos um bebé a crescer dentro de nós, de repente perdemos esse bebé, por fatores alheios à nossa responsabilidade. (…) Na noite de Natal descobrimos que temos um peito que não está bem... Eu considero uma prenda, pois se não o descobrisse agora não estaria aqui, o menino Jesus avisou-me. Fiz ecografia e mamografia, identificaram 7 quistos. Bem, pode ser benigno e consequência da gravidez, diziam os médicos. Mas, passado um mês e meio, e após vários anti-inflamatórios, nada resultava, bendito médico que leu os manuais antigos de medicina onde vinha a falar de um cancro da mama muito raro (ele apenas ainda tinha conhecido um caso, nos seus 30 anos de carreira médica). Bendita desconfiança que me encaminhou diretamente para o IPO onde não queriam acreditar e tentaram de tudo, até que resolveram fazer a biópsia e lá estava a mudança radical da minha vida...maligno. A notícia foi dada com uma frieza que ainda hoje agradeço, pois se fosse de outra maneira não teria aceite como o fiz, nem tive tempo para chorar, saí daquele consultório e “empanturraram-me” com análises e exames, quimioterapia, cirurgia e radioterapia. O meu pilar, o meu porto de abrigo, uma filha linda “de morrer” com 4 anos que, quando viu a mãe com o cabelo rapado, disse: -“Mamã agora vais ser o meu nenuco”. O meu marido e a minha mãe estiveram sempre ao meu lado, nunca desistiram. (…) Nunca usei peruca e gostava de me ver ao espelho, na rua sempre andei sem lenço à exceção da escola da minha filha, para não chocar os meninos, e à frente dos meus pais que não aguentavam. Tive episódios hilariantes de pessoas contra os postes, pois ficavam a olhar. Fui o pilar de toda a família, mesmo estando mal nunca perdi o meu sorriso (…), toda a gente conhece o meu sorriso, quando se veem pessoas de quem se ama ir abaixo, vamos buscar forças não sei onde, mas eu tive-as e sei que os meus 50% foram ganhos através de perseverança mental e psicológica. Agora, aguardo que tenha ido de vez e dou outro sentido à vida, a mastectomia radical modificada deixou a sua marca e o meu braço está em stand-by, tirou férias. Mas, já que não cumpri a promessa em 2010, de ir à concentração de Faro na minha mota, fi-lo este ano. Sou maluca mas feliz e adoro viver e adoro a minha família. A esperança será sempre a última a morrer, enquanto puder vou prolongar a minha passagem, tenho um rebento lindo que precisa de mim.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Tudo começou com o auto exame, numa manhã de junho quando tinha 45 anos.Detetei um caroço na axila esquerda. De imediato fui ao meu médico, pois...Maria Silva, 59 anos, Mama, 1999Ler mais
  • (...) Estava envolvida num projecto profissional intenso em Lisboa, faltava-me tempo para parar e pensar... Mas estava muito assustada com o nódulo no...Fernanda Simões, 46 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Foi-me diagnosticado cancro em setembro de 2012. Os meus filhos tinham 1 e 2 anos. Tinha acabado de amamentar o meu filho mais novo. Sentia que tinha algo...Paula, 38 anos, Mama, 2012Ler mais
  • Olá! Venho deixar o meu testemunho. Tudo começou a 5 de junho 2015. Estava deitada a brincar com o meu filho de 4 anos e senti dores na mama e...Susana Coelho, 39 anos, Mama, 2015Ler mais
  • “Há coisas que se podem escrever quando já não dói ...”Não há datas mágicas, mas já lá vão cinco anos.No dia 18 de janeiro de 2006, ouvi a...Graça Luzia, 49 anos, Mama, 2005Ler mais
  • 1 de junho de 1999, dia da criança. Foi na brincadeira com as minhas filhas que uma delas me tocou no peito e me doeu. Apalpei de imediato o local e...Isabel, 56 anos, Mama, 2001Ler mais
Apoios & Parcerias