Voltar

Marta Borges

39 anos Melanoma, 2017, Doente
Deixo aqui o meu testemunho para poder alertar outras pessoas. No meu caso, apareceu-me uma pequena mancha na nádega direita já há alguns anos... mas como tenho bastante sinais nas costas e era um sítio que eu não observava todos os dias, não dei importância. A minha mãe, que me via quase todos os dias a sair do banho, é que me estava sempre a alertar para ir ao médico mostrar aquele sinal/mancha. Até que fui a uma dermatologista e mostrei a mancha, tendo esta aconselhada a vigiar e ver se crescia. A mancha/sinal foi crescendo e mudando de cor, dando lugar a uma espécie de verruga, que se notava na roupa e causava comichão. Aí fiquei alerta e marquei consulta noutro dermatologista só para descargo de consciência. Na consulta o dermatologista quis logo tirar o sinal para análise pois não gostou nada do aspeto dele. Após análise veio o resultado que ninguém estava à espera. MELANOMA MALIGNO GRAU 4. Até hoje não derramei uma única lágrima, a minha preocupação foi saber como dizer aos meus pais! Foi um caos em minha casa, com a minha mãe em negação e os restantes familiares sem saberem como agir comigo. Estive sempre calma e com uma atitude otimista, e tenho a certeza que foi desta forma que me ajudou a chegar até aqui. Hoje já fui operada e estou à espera de saber o resultado. Dia 17 de abril de 2018 tenho consulta, e digo "o que for será", não sofro por antecipação.
Tirei muitos ensinamentos disto tudo, cresci como ser humano e comecei a não valorizar as coisas que não tinham importância. Fiz sempre o que quis dentro das minhas possibilidades, mas o que mais quis foi paz e sossego e consegui impor isso a mim e às outras pessoas. Quis que poucas pessoas soubessem pois não queria o olhar de pena delas, só mesmo os mais chegados e sempre disse "não sou nenhuma coitadinha"!
Para além de tudo isto tenho outra doença que considero mais incapacitante e dolorosa que o cancro. Mas tive que saber viver com estas duas doenças. Soube e sei viver muito bem. Por isso não vejam o cancro como o fim de alguma coisa, mas sim o iniciar de uma nova etapa na nossa vida.
 
Voltar

Outros Testemunhos

  • Em 2001, com 23 anos, foi-me detetado um melanoma da coroideia, ou seja, um tumor intra-ocular.Numa manhã de primavera, quando estava a...Susana, 38 anos, Melanoma, 2001Ler mais
  • Em 2002 apareceu um sinal novo, pequenino e muito escuro. Recorri a um especialista e, de imediato, foi retirado. Só em 2012 tive alta. Fiz vigilância com...Maria Teresa, 55 anos, Melanoma, 2002Ler mais
  • Corria o ano de 2002 e eu, na altura com 37 anos, comecei a sentir dores no olho esquerdo. Fui ao médico de família que me diagnosticou enxaquecas. A dor...Vitor Paixao, 46 anos, Melanoma, 2004Ler mais
  • Quando me foi diagnosticado um melanoma, fiquei por uns instantes parada, parada no tempo, na cadeira, no olhar, na respiração... Nesses breves segundos,...Margarida Monge, 48 anos, Melanoma, 2005Ler mais
  • É um dos ditados mais bonitos que todos nós aprendemos e vulgarmente o referimos “O Sol quando nasce, nasce para todos”. Meus caros amigos, é...Casimiro Martins, 60 anos, Melanoma, 2009Ler mais
  • Fui operada a um melanoma, fez 5 anos em janeiro. Na altura não me apercebi muito bem da gravidade da situação, tive conhecimento que era de grau 2 e...Anónimo, 67 anos, Melanoma, 2008Ler mais
Apoios & Parcerias