Voltar

Mónica Jorge Fernandes

36 anos Pulmão, 2016, Familiar
Em Janeiro de 2016, foi diagnosticado cancro de Pulmão ao meu Pai, com "ramificações" na cabeça e fémur. Os únicos sintomas foram uma ligeira dor nos ossos, que aumentou de semana para semana a sua intensidade. Não foi por falta de controlo médico, porque todos os anos fazia exames.
(...)
Toda a família sobre com a doença. O sofrimento psicológico e físico do doente é muito duro. No dia 3 de Maio, a família conseguiu chegar ao Hospital a tempo, despedir-se dele e passado uma hora faleceu. Vivo constantemente com o sofrimento do meu Pai no meu consciente. Sou solidária com todos os doentes e familiares. A minha visão da doença mudou completamente. Quem passa por esta experiência sabe o que é lutar pela vida. As melhoras a todos os doentes e força para os familiares, que tenham a sorte de serem acompanhados por bons profissionais e pessoas de bom coração.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Já tinha pensado deixar aqui o meu testemunho quando este caminho começou, mas achava que ainda estava tudo no início para poder fazer a diferença. Não...Vanda Santos, 23 anos, Pulmão, 2011Ler mais
  • Sou uma doente oncológica desde 2005, ano em que me foi diagnosticado cancro do pulmão. Fui operada e fiz tratamentos de quimioterapia. Em julho de 2010...Maria Serrano, 53 anos, Pulmão, 2005Ler mais
  • Há 8 meses atrás o meu pai foi ao hospital porque se sentia fraco, e apenas o fez por insistência minha e da minha família, ele nunca tinha estado...Letícia Cruz, 28 anos, Pulmão, 2012Ler mais
  • Foi nos princípios de 2011 que fiz um TAC abdominal porque tenho diabetes, para ver como estavam os rins e outros órgãos. Foi com surpresa que apareceu a...José Alves, 67 anos, Pulmão, 2011Ler mais
  • Em 2000 foi diagnosticado ao meu pai cancro colo-rectal já em fase avançada mas, apesar da pouca esperança, ele venceu de uma forma surpreendente. Com...Ana Carvalho, 36 anos, Pulmão, 2004Ler mais
  • Vivi intensamente esta doença através do meu pai a quem foi diagnosticado um cancro pulmonar em 2005. Venceu algumas batalhas mas a sua luz apagou-se em...Joaquim Moreira, 36 anos, Pulmão, 2005Ler mais
Apoios & Parcerias