Voltar

Mónica Jorge Fernandes

36 anos Pulmão, 2016, Familiar
Em Janeiro de 2016, foi diagnosticado cancro de Pulmão ao meu Pai, com "ramificações" na cabeça e fémur. Os únicos sintomas foram uma ligeira dor nos ossos, que aumentou de semana para semana a sua intensidade. Não foi por falta de controlo médico, porque todos os anos fazia exames.
(...)
Toda a família sobre com a doença. O sofrimento psicológico e físico do doente é muito duro. No dia 3 de Maio, a família conseguiu chegar ao Hospital a tempo, despedir-se dele e passado uma hora faleceu. Vivo constantemente com o sofrimento do meu Pai no meu consciente. Sou solidária com todos os doentes e familiares. A minha visão da doença mudou completamente. Quem passa por esta experiência sabe o que é lutar pela vida. As melhoras a todos os doentes e força para os familiares, que tenham a sorte de serem acompanhados por bons profissionais e pessoas de bom coração.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Já tinha pensado deixar aqui o meu testemunho quando este caminho começou, mas achava que ainda estava tudo no início para poder fazer a diferença. Não...Vanda Santos, 23 anos, Pulmão, 2011Ler mais
  • Depois de ler vários testemunhos, achei por bem dar a conhecer o meu com o intuito de poder ajudar alguém dando-lhe força para superar cada dia que...Luis Bernardo, 56 anos, Pulmão, 2010Ler mais
  • Foi-me diagnosticado um tumor no pulmão esquerdo em julho de 2009. Foi-me dito que apenas se poderia fazer tratamento, pois a cirurgia era inviável devido...Augusto Lourenço, 70 anos, Pulmão, 2009Ler mais
  • Quero apenas deixar o meu testemunho para dar esperança e força a quem está a passar pelo mesmo. Tinha na altura 48 anos, andava com uma constipação...Madalena Hipólito, 62 anos, Pulmão, 1998Ler mais
  • Há 8 meses atrás o meu pai foi ao hospital porque se sentia fraco, e apenas o fez por insistência minha e da minha família, ele nunca tinha estado...Letícia Cruz, 28 anos, Pulmão, 2012Ler mais
  • Esta é a batalha que nunca nos imaginamos a passar. São coisas que vemos acontecerem a outros, temos pena, mas não imaginamos o...Ana Oliveira, 18 anos, Pulmão, 2015Ler mais
Apoios & Parcerias