Voltar

Nuno Paisana

38 anos Linfoma Não Hodgkin, 2003, Doente
Venho aqui deixar o meu testemunho enquanto doente: a nossa primeira reação quando recebemos a notícia é de incredulidade. Só pensamos que não nos pode estar a acontecer, que isto é daquelas coisas que só acontece aos outros (isto é o nosso lado egoísta a pensar). Mas depois de cair na realidade, só pensei que tinha de vencer esta batalha e entreguei-me de corpo e alma aos cuidados da fabulosa equipa do IPO - a quem quero mais uma vez agradecer todos os cuidados que me prestaram e continuam a prestar, desde a equipa médica, ao corpo de enfermagem, à parte administrativa, aos auxiliares e deixar também um grande bem-haja aos voluntários. Comecei a minha luta em 2003 com sessões de quimioterapia, passando pela radioterapia e acabando com um auto transplante. Hoje, passados 7 anos do transplante, encontro-me muito bem, tendo como passatempo a participação em provas de atletismo, estando inscrito na meia maratona de Lisboa. Quero dizer a todos, doentes e familiares que é possível vencer esta doença, não é fácil mas é possível.
Voltar

Outros Testemunhos

  • A 11 de setembro de 1999, após uma entrada no Hospital com uma dor torácica, foi-me diagnosticado, após algumas horas de exames, linfoma não Hodgkin,...Fernanda Malanho, 39 anos, Linfoma Não Hodgkin, 1999Ler mais
  • Há 30 anos venci um cancro que estava alojado na nasofaringe. (…)Consegui vencer o cancro e vou gerindo os efeitos colaterais da...Eugenia Lopes, 49 anos, Linfoma Não Hodgkin, 1989Ler mais
  • Só quem vive na pele sabe o sofrimento, a dor, o crescimento e a transformação.Ter o diagnostico de um linfoma este ano fez-me...Claudia Matos, 44 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2019Ler mais
  • Aos 15 dias do mês de janeiro o meu familiar teve uma forte dor abdominal. Após várias idas às urgências, pensando...Sofia, 26 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2019Ler mais
  • Quando me foi diagnosticada a doença, a questão que coloquei imediatamente ao médico foi a de saber o que é que se tinha de fazer para atacar...Carlos Pereira, 49 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2000Ler mais
  • Antes de mais, deixem-me apresentar-me.Chamo-me Gabriela, tenho 26 anos e há mais de um ano a vida desafiou-me: mudei a fisionomia, mudei o cabelo,...Gabriela Fonseca, 26 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2016Ler mais
Apoios & Parcerias