Voltar

Paula Alexandra Simões Guerra

39 anos Mama, 2010, Doente
Em abril de 2010 começou a jornada de exames que culminou em dezembro desse ano com o diagnóstico de cancro da mama. Quando a médica me disse que tinha de me retirar a mama toda fiquei como que adormecida e sem reação. Simplesmente disse “se tem que ser só me resta aceitar e seguir em frente”. E assim fiz. Em janeiro deste ano fui operada e fizeram-me logo nessa altura a reconstrução mamária. Depois foi um mês de recuperação e em março comecei a quimioterapia. Cair-me o cabelo foi o que me custou menos porque até fico gira sem cabelo. Apesar da quimioterapia não ser “pêra doce” sempre tentei ver o outro lado da medalha e até hoje não fui “abaixo” e até gozo comigo mesma porque sem cabelo e sem sobrancelhas mais parecia um extraterrestre. Os seis meses que durou a quimioterapia foram uma mistura de dor e de esperança porque cada tratamento que conseguia fazer era doloroso, mas era também mais uma vitória para o vencer. Acabei a quimioterapia em agosto e comecei a tomar o “Tamoxifeno” e cada dia que passa sinto-me cada vez melhor. Já tenho cabelo e sobrancelhas e o pior acho que já passou. Às vezes ainda me sinto um pouco insegura em relação ao futuro porque o cancro destruiu os meus sonhos e agora tenho que construir outros sonhos. Mas são os sonhos que nos fazem viver e agora vivo um dia de cada vez e dou valor às coisas que realmente têm valor porque a vida é demasiado curta para darmos importância a coisas sem importância. A todos os que lerem este meu testemunho quero dizer que mesmo quando tudo parece perdido há uma luz ao fundo do túnel e que não podemos perder a esperança. Aceitar que tinha cancro foi o primeiro passo para me curar. E hoje em dia costumo dizer que na guerra contra o cancro eu venci esta batalha, porque a guerra só o futuro sabe quem vai vencer. A todos os que lerem isto muita coragem.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Sete de janeiro de 2010, dez horas e trinta e nove, faz exatamente um ano hoje, em que eu estava numa sala (batizei a minha sala de spa) a fazer a minha...ISABEL CARDINAL, 38 anos, Mama, 2009Ler mais
  • Em julho de 2011, com 50 anos, apalpei um “caroço” na mama esquerda. Imediatamente, fui fazer ecografia e mamografia e o médico foi direto: tinha...Maria João, 52 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Aos 32 anos, a vida sorri-nos todos os dias, principalmente quando temos um bebé a crescer dentro de nós, de repente perdemos esse bebé, por fatores...Marlene Duarte, 32 anos, Mama, 2010Ler mais
  • E um dia tudo muda... Estudava para um teste de psicologia quando a minha mãe entrou em casa de olhos baixos, era qualquer coisa, não sabia bem, vieram as...Sandra Jorge, 34 anos, Mama, 1995Ler mais
  • Neste meu testemunho não é minha intenção descrever os medos, as angústias, os receios ou o desânimo que por vezes teimam em nos perseguir. Tenho por...Maria Peixoto, 37 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Eu tive cancro de mama. Quando soube, foi como se se abrisse um poço sem fundo, mas consegui com a força de amigos e família. Por isso, digo a quem tem...Graciete Santos, 38 anos, Mama, 2011Ler mais
Apoios & Parcerias