Voltar

Paulo Batista

54 anos Linfoma Hodgkin, 2006, Doente
Julgo que a minha história poderá ajudar alguém doente e a sua família e também a demonstrar que o cancro não significa o fim.
Em 2011 publiquei na minha página do Facebook a seguinte nota que descreve sucintamente toda a minha história e o seu enquadramento.
 
"Os meus últimos 6 anos...para os meus filhos! …
18 de junho de 2011 às 03:01
Hoje pela 1ª vez tenho vontade de escrever no meu Facebook!
Vou afetar a minha imagem de tipo duro mas vou desabafar publicamente, e quero lá saber!.. Talvez ajude alguém.
Não quero também que tenham pena de mim.
Estou feliz!...e quero partilhar. Vou explicar o porquê:
Acabei ontem o 1º ano de mestrado de Pilotagem na Escola Náutica, o que não tem nada de especial, mas ao acabar tive uma sensação de mais uma etapa cumprida - apesar da minha experiência com o Marítimo ser curta - e ao fazer a retrospetiva, a minha sensação de felicidade foi-se acentuando, apesar de muita amargura também, à medida que passei em revista mental os meus últimos 6 anos.
Vou recordar cronologicamente:
Agosto de 2005 - Vínhamos de Barcelona, eu, a F. e os miúdos, o Pl. (13) e o Pd. (8). O J. (19) tinha ficado em Turquel. Declinei o convite do Voltregá - apesar de lhes ter dado uma semana de treinos - e ia embarcar pela 1ª vez daí a uma semana, aos 40 anos como praticante piloto depois de ter terminado o curso aos 24.
Pernoitámos em Madrid, íamos levar os miúdos ao parque da Warner Brothers.
A F. tem um AVC por rebentamento de um aneurisma cerebral.
Outubro de 2005 - Embarco no ROAZ como praticante piloto (tinha de fazer um ano de embarque), depois de um mês em Hospitais em Madrid e em Lisboa, a F. está em Alcoitão a iniciar a sua recuperação. O Comandante do Roaz é o Castro, meu colega de curso. Agradável surpresa. Mas esse tempo foi sempre com a cabeça nos miúdos e na F., internada. A minha mãe toma conta da casa.
Fevereiro de 2006 – Sou convidado para Selecionador Nacional para minha surpresa, e não se importam que eu esteja embarcado pois o tempo dedicado às provas internacionais é curto ao longo do ano.
Aceito até porque foi uma forma de compor as finanças, muito afetadas pela situação da F. e porque podia estar mais tempo em casa e acompanhá-la no Hospital. Esteve perto de 6 meses, a 1ª vez em Alcoitão.
Entre embarques e treinos quando estava de férias, lá fui andando.
Junho de 2006 – Sentia-me muito magro e fraco. Estava sempre a tossir. Pedi para desembarcar. Fui fazer exames médicos.
Estava a 5 dias para iniciar a preparação para o Europeu de Monza, e veio o diagnóstico final, entretanto já esperado, de um Linfoma de Hodgkin no último estágio 4B, o mais grave.
Mantém-se o selecionador – Na Federação de Patinagem de Portugal (FPP) foram impecáveis – e mantém-se a preparação para o Europeu e inicio um tratamento de 8 meses de quimioterapia.
Começo logo a melhorar e fazemos o Europeu, ficamos em 3º lugar depois de termos sido eliminados pela Espanha ma meia-final, a vencedora.
Iniciou-se a renovação da Seleção e a sensação é de satisfação geral.
Continuo os tratamentos, interrompo os embarques – fico com metade do tempo de praticante, 6 meses – e sou selecionador, agora mais resguardado pois tento me proteger.
Acabam-se os tratamentos em Abril de 2007, na altura do torneio de Montreux.
Mas tenho uma má notícia: é diagnosticado ao meu Pai um cancro no estômago.
Entretanto na FPP os elogios sucedem-se: dão-me a Seleção de Juniores. Aumentam-me o vencimento.
No Torneio de Montreux vamos à final com a Espanha, depois de na fase regular termos empatado e perdemos na final por 3-0, com golos só na 2ª parte.
Sensação de satisfação e esperança pois jogámos sem os jogadores do Porto e no Mundial, que seria daí a 2 meses, eles estariam lá.
O estado do meu Pai agrava-se e a F. continua a recuperar embora muito afetada fisicamente com uma hemiparesia esquerda que lhe dá uma incapacidade total de 78%.
A minha doença está em remissão, os tratamentos fazem efeito mas nunca se sabe, as recidivas são frequentes.
O Mundial em Julho corre mal. Deceção total e sabendo as regras do jogo saio da Federação e felizmente arranjo logo embarque, agora numa companhia norueguesa, a United European Car Carriers (UECC).
No meu 1º embarque na nova companhia o meu Pai morre, em Agosto de 2007.
Volto a embarcar, a F. continua a recuperar. A minha mãe ajuda. Os miúdos fazem o seu percurso normal. Sabe-se lá como esteve em determinadas alturas, o seu estado de espírito.
Entre embarques e férias vou acompanhando o que se passa em casa.
Maio de 2008 - Adquiro a categoria de 2º Piloto – Oficial Chefe de Quarto.
Já posso trabalhar em qualquer parte do Mundo, já não dependo do Hóquei para sustentar a minha família.
Setembro de 2008 – O meu avô morre. Lembro-me que nessa noite chorei bastante. Lembrei-me de tudo e de todos...
Continuo na UECC até Dezembro de 2008 altura em que recebo um convite do Candelária e como a UECC se prepara para encostar navios, após ponderação, aceitei o convite do Candelária aproveitando para sair a bem da UECC.
Lá fui para os Açores, o Candelária estava em 11º lugar, acabou em 5º na fase regular, tendo descido para 6º após os Playoff's.
Soube-me muito bem esta temporada no Candelária.
Entretanto ao E., meu padrasto, é diagnosticado um cancro nos pulmões, vai começar a fazer tratamentos.
Retorno a casa para as férias depois de ter renovado com o Candelária por mais um ano. Ia fazer um exame de controlo no IPO.
Resultado do exame: o Linfoma voltou - vou ter de fazer um autotransplante de medula óssea.
O Candelária mantém-me como treinador. Faço tratamentos preparatórios de uma semana e vou duas vezes para os Açores. Isto é, 4 vezes seguidas até interromper durante 2 meses e esperar pelo transplante que será em dezembro.
Na interrupção do campeonato no Natal, sou novamente internado agora para fazer o transplante. Corre tudo bem após 3 semanas de isolamento.
Fico uma semana e meia ainda em casa. E junto-me à equipa num jogo no continente.
Armo-me em herói e vou para os Açores.
É evidente que passados dois meses de muitas febres e constipações, não aguento o Inverno do Pico. Tenho de pedir a rescisão ao Candelária e vir-me embora. O transplante deitou-me a abaixo apesar de eu ter feito uma fuga para a frente.
O Candelária esteve sempre ao meu lado. Não esqueço aquele Clube.
A equipa está a lutar pelo 2º lugar. Sinto esse orgulho, depois de ter chegado lá com a equipa em 11º lugar.
Entro de baixa, e em Setembro de 2010 decido fazer o 1º ano do mestrado de Pilotagem para poder progredir na carreira como Oficial Náutico, após um convite do Turquel para treinar a sua equipa.
Aproveitaria para recuperar totalmente, ficando um ano em casa e a tirar o mestrado, até porque tinha muito que recuperar fisicamente.
O Inverno é difícil, especialmente a ir todos os dias para Paço de Arcos. Fiquei muitas vezes febril e com falta de ar, sintomas ainda de uma não total recuperação, ao mesmo tempo que dou treinos em Turquel à noite.
Em janeiro de 2011 o E. morre.
O Turquel não subiu de divisão por um ponto. Foi uma época enriquecedora com jogadores menos consagrados, mas iguais a todos os outros e que deram tudo para fazerem o que lhes pedi.
Acabei ontem o 1º ano do mestrado. Senti-me bem.
Entretanto… os meus filhos cresceram: o J. licenciou-se, o Pl. entrou para Medicina e acabou o 1º ano hoje, o Pd. está na senda, a F. melhorou.
Lembrei-me dos meus irmãos S. e C. (que só conheci quando tinha 16 anos), da minha Mãe R., da minha Mãe (sim tenho duas mães, depois explico…), dos meus Tios H. e C., e de muitas mais pessoas de que gosto bastante e que me marcaram na minha vida.
Lembrei-me do meu Pai e do E., e do meu avô V.. Sinto muitas saudades.
Lembrei-me de Fernando Pessoa: “Pedras no caminho? Apanho todas, no final construo um Castelo!”
Por isso, sinto-me bastante feliz, porque os meus filhos sabendo que o Pai deles tem muitos defeitos, podem dizer que foi à luta!
Amo-vos, filhos! Vocês são o meu Castelo!"

O texto é de 2011, desde aí dediquei-me à minha profissão e à família. Hoje sou Comandante de um navio de passageiros no Funchal e temos os três filhos formados (ou praticamente, pois faltam 2 anos ao mais novo para concluir o curso).
Que ajude alguém.
 
Voltar

Outros Testemunhos

  • Tinha eu 16 anos quando soube que o meu pai estava doente. Foi-lhe detetado um linfoma de Hodgkin e passei momentos bastante complicados. A cada dia que...Pedro Lemos, 19 anos, Linfoma Hodgkin, 2008Ler mais
  • Tenho 19 anos e estou doente. Em julho de 2011, pensava eu que ia ter umas férias de verão tranquilas junto dos meus amigos, a apanhar banhos de sol e a...Eduardo Lopes, 19 anos, Linfoma Hodgkin, 2011Ler mais
  • Em fevereiro de 2005, devido a uma dor que sentia numa axila, fui ao médico, que na altura optou por fazer uma ecografia seguida de biópsia, em que foi...Vera Baltar, 31 anos, Linfoma Hodgkin, 2005Ler mais
  • Olá! No dia 7 de junho foi-me diagnosticado um Linfoma Hodgkin. No momento em que recebi a notícia a minha mente desligou-se totalmente porque eu sempre...Tiago Duarte, 19 anos, Linfoma Hodgkin, 2012Ler mais
  • Tudo começou pela altura do Natal em 2012. Andava cansada, com suores, febre, perda de peso e, na altura, estive com varicela (…). Tudo me cansava, já...Inês Marques, 26 anos, Linfoma Hodgkin, 2013Ler mais
  • Tudo começou com um “alto” no pescoço. Pequeno. Não me incomodava e apenas dei por ele por acaso, ao ver-me ao espelho. Achei estranho e tentei...Cláudia Bandeira, 31 anos, Linfoma Hodgkin, 2010Ler mais
Apoios & Parcerias