Voltar

Renato Graça

27 anos Pulmão, 2003, Familiar
De muito novo lidei com esta doença cobarde! Não diretamente, mas em 2003 foi diagnosticado um cancro no pulmão à minha mãe. Todo o processo de tratamento (quimioterapia; radioterapia; operação de remoção do pulmão) foi extremamente duro e um sentimento de “fingir que não era real” invadiu-me o espírito e a alma. Durante muito tempo senti-me muito impotente por não conseguir ajudar quem mais amo. Ainda a recuperar, em 2008, foi diagnosticado um Linfoma de Hodgkin à mulher da minha vida, o meu amor, com quem partilho os meus dias e vida. Novamente o sentimento de raiva, revolta, impotência, levou a que fosse mais fácil adormecer as emoções. Não chorar e focar-me em tudo menos em lidar com a dor. Acabei por cair numa depressão, a qual estou a resolver. A minha mãe e mulher continuam vivas! Força para todos os que lidam diretamente ou indiretamente com o cancro.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Vou deixar aqui mais um testemunho, a mim já não me ajuda mas pode ajudar alguém já que enquanto a minha mãe estava...André, 25 anos, Pulmão, 2016Ler mais
  • Foi-me diagnosticado um tumor no pulmão esquerdo em julho de 2009. Foi-me dito que apenas se poderia fazer tratamento, pois a cirurgia era inviável devido...Augusto Lourenço, 70 anos, Pulmão, 2009Ler mais
  • A 9 de março de 2010 foi-me comunicado que sofria de uma neoplasia do pulmão - carcinoma de pequenas células, estadio IV, metastizado na pele,...Maria Góis, 38 anos, Pulmão, 2010Ler mais
  • Em 2000 foi diagnosticado ao meu pai cancro colo-rectal já em fase avançada mas, apesar da pouca esperança, ele venceu de uma forma surpreendente. Com...Ana Carvalho, 36 anos, Pulmão, 2004Ler mais
  • Em 2006, a minha filha, então com 31 anos, teve linfoma de Hodgkin. Apareceu-lhe um gânglio no pescoço e, a princípio, pensava-se que seria cancro da...Branca santos, 56 anos, Pulmão, 2010Ler mais
  • Hoje recebi a notícia que ninguém pensa ouvir: cancro do pulmão. Sinto-me à toa e não sei como irei arranjar forças para enfrentar a doença, mas vou...Manuel José, 44 anos, Pulmão, 2012Ler mais
Apoios & Parcerias