Voltar

Renato Graça

27 anos Pulmão, 2003, Familiar
De muito novo lidei com esta doença cobarde! Não diretamente, mas em 2003 foi diagnosticado um cancro no pulmão à minha mãe. Todo o processo de tratamento (quimioterapia; radioterapia; operação de remoção do pulmão) foi extremamente duro e um sentimento de “fingir que não era real” invadiu-me o espírito e a alma. Durante muito tempo senti-me muito impotente por não conseguir ajudar quem mais amo. Ainda a recuperar, em 2008, foi diagnosticado um Linfoma de Hodgkin à mulher da minha vida, o meu amor, com quem partilho os meus dias e vida. Novamente o sentimento de raiva, revolta, impotência, levou a que fosse mais fácil adormecer as emoções. Não chorar e focar-me em tudo menos em lidar com a dor. Acabei por cair numa depressão, a qual estou a resolver. A minha mãe e mulher continuam vivas! Força para todos os que lidam diretamente ou indiretamente com o cancro.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Em Julho de 2012 sentia-me mais cansada e sem vontade de fazer nada. Atribui ao facto de ter sido um ano muito intenso de trabalho e mesmo as dores no ombro...Cristina Alves, 52 anos, Pulmão, 2012Ler mais
  • No dia 19 de junho de 2019, às 6 da manhã, depois de 2 semanas a ir ao hospital quase todos os dias e me dizerem que ela tinha eram...Isa Antunes, 26 anos, Pulmão, 2019Ler mais
  • Este foi o meu segundo cancro pois em 2008 fui operada ao colo do útero. Realizei quimioterapia, radioterapia e braquiterapia.Quando ouvi este...MARIA HENRIQUES, 69 anos, Pulmão, 2011Ler mais
  • Já tinha pensado deixar aqui o meu testemunho quando este caminho começou, mas achava que ainda estava tudo no início para poder fazer a diferença. Não...Vanda Santos, 23 anos, Pulmão, 2011Ler mais
  • Há 8 meses atrás o meu pai foi ao hospital porque se sentia fraco, e apenas o fez por insistência minha e da minha família, ele nunca tinha estado...Letícia Cruz, 28 anos, Pulmão, 2012Ler mais
  • Passaram três anos desde que o meu marido partiu. Já vivi 1114 dias sem a sua presença física. Foram dias muito duros. Foram dias em que mostrei uma...Ana Antunes, 47 anos, Pulmão, 2006Ler mais
Apoios & Parcerias