Voltar

Sara

43 anos Mama, 2014, Familiar
Todas as noites visito esta página para, de alguma forma, não me sentir só neste sofrimento que é perder a mãe (a melhor do mundo) com esta doença tão violenta e que entrou nas nossas vidas, alterando-as para sempre. Em 2014, depois da remoção de um nódulo benigno na mama, surge um novo nódulo bastante agressivo, desta vez maligno e bastante raro. O seu diagnóstico não foi fácil e para nós foi bastante complicado lidar com a falta de certezas dos médicos em relação ao tratamento a seguir. Depois de uma mastectomia radical, seguiu-se a radioterapia. Durante todo este processo, estive sempre ao lado da minha mãe e ela ao meu lado! Juntas, acreditávamos que íamos vencer mas infelizmente em outubro de 2014 a minha mãe partiu. Todos os dias sinto a sua força para continuar! E nunca esquecerei a serenidade com que enfrentou a doença. No IPO, foi sobretudo junto da equipa de enfermagem que encontrei mais apoio, ternura e mimo...Obrigada mãe por seres a melhor do universo!
Voltar

Outros Testemunhos

  • Corria o ano de 2010. Era um ano de novas esperanças, com o nascimento de uma nova neta. As forças já tinham sido retemperadas com o usufruto de...Marco Santos, 59 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Em janeiro de 2005 apercebi-me de um inchaço na mama esquerda, consultei o médico (…). Fiz anti-inflamatórios, antibióticos, mas nada, até que...Sandra Santos, 43 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Bom dia. Venho dar coragem a todos os doentes que estão a passar por esta doença sem aviso porque, felizmente, tenho uma tia que teve cancro da mama em...Anonimo, 42 anos, Mama, 2007Ler mais
  • Em julho de 2011, com 50 anos, apalpei um “caroço” na mama esquerda. Imediatamente, fui fazer ecografia e mamografia e o médico foi direto: tinha...Maria João, 52 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Maternidade depois do cancro. O meu testemunho é de esperança porque, após me ter sido diagnosticado cancro aos 28 anos, quatro anos depois, engravidei...Guiomar Pereira, 28 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Cancro - medo, morte, desespero, dor, solidão... Para mim, que me vi confrontada com um cancro de mama, sem qualquer tipo de sintomas numa rotina de...ILIDIARIBEIRO, 50 anos, Mama, 2004Ler mais
Apoios & Parcerias