Voltar

SOFIA MARLENE LAVOURA FERNANDES

30 anos Mama, 2011, Doente
Em outubro de 2010 deixei de tomar a pílula para ter outro filhote. Passados alguns dias, no meu trabalho, que era ser operadora de ordenha, senti uma dor na zona da axila. De manhã não liguei à dor, de noite, quando fui trabalhar, senti a mesma dor e então no banho estive a verificar (…). Quando passei a mão do peito senti um caroço, não liguei porque há 2 anos atrás tinha aparecido e o meu antigo médico disse para não me preocupar, que tudo o que doía não era grave. Bem, desta vez pensei que era igual, fui deixando andar e continuei a tentar engravidar. Fui à ginecologista mas ela não examinou o peito. Em janeiro de 2011 fui a uma consulta com a nova médica de família para pedir exames por causa da gravidez. O meu marido falou sobre o peito, ela pediu para fazer os exames necessários e então foi aí que tudo começou. Os exames já davam bi rad 5, ela reencaminhou para o IPO. Não entrei em choque porque já conhecia a doença por amigas. Na família não tinha nada de cancro, mas o que tem que se ser é muito forte. No dia 27 de abril comecei a fazer quimioterapia forte porque o meu nodulo já estava perto de 6 cm e com uma grande lesão. (…) A 27 de outubro fui operada. Correu bem, encarei bem o meu corpo, não foi fácil mas tinha que encarar bem. (…) No meio disto tudo, a queda do cabelo foi o menos, não me custou porque hoje estou com tantos caracóis e com os cabelos lindos, o meu filho que agora tem 7 anos fez-se um homenzinho e o meu marido foi exemplar. Apesar de ter perdido um feto de poucos dias derivado aos exames que fiz e de agora não poder ter mais nenhum porque entrei na menopausa sem ser nada provocado, dou a minha atenção a eles os dois, porque com esta doença fiquei a dar valor à vida, a ser feliz, mesmo nos momentos maus que hoje passo (…). Fica o meu conselho: mesmo novas temos que ter atenção ao nosso organismo. Alguma coisa de diferente, ir ao médico. Não esperem que desapareça como eu fiz. Se eu tivesse ido a tempo não tinha passado pelo sofrimento. Posso dizer que sofri em felicidade, com garra. Fica aqui o meu testemunho (…). Muita força.
Voltar

Outros Testemunhos

  • A minha história será mais uma aqui apresentada. Mas tenho fé e quero acreditar que tudo vai correr bem comigo e com o meu bebé. Estou grávida de 13...Maria Enes, 29 anos, Mama, 2014Ler mais
  • Aprendi, durante o tempo em que estive doente, que cancro não é sinónimo de morte, mas sim sinónimo de luta!Apesar de ficarmos curadas, nunca mais...Custódia Esturra, 43 anos, Mama, 1995Ler mais
  • Sou uma mulher de entre tantas que, de um momento para o outro, sentiram a sua vida virada do avesso ao ser-me diagnosticado um cancro na mama. Tinha 39...Ana Costa, 45 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Em junho de 1991, depois de uma mamografia, por causa de um pequeno “altinho” na parte inferior da mama esquerda, que teimava em não desaparecer, li no...Gabriela, 57 anos, Mama, 1991Ler mais
  • Olá. Eu também já lutei contra o cancro da mama, hoje sou uma vencedora pois já passaram 5 anos e dia 23 soube da grande notícia: já fazia parte do...Anónimo, 47 anos, Mama, 2007Ler mais
  • Olá companheiros de guerra, o meu primeiro cancro de mama apareceu aos 23 anos, foi detectado precocemente, retiraram-me o nódulo, fizeram-me o...Andrea Gomes, 34 anos, Mama, 2001Ler mais
Apoios & Parcerias