Voltar

SOFIA MARLENE LAVOURA FERNANDES

30 anos Mama, 2011, Doente
Em outubro de 2010 deixei de tomar a pílula para ter outro filhote. Passados alguns dias, no meu trabalho, que era ser operadora de ordenha, senti uma dor na zona da axila. De manhã não liguei à dor, de noite, quando fui trabalhar, senti a mesma dor e então no banho estive a verificar (…). Quando passei a mão do peito senti um caroço, não liguei porque há 2 anos atrás tinha aparecido e o meu antigo médico disse para não me preocupar, que tudo o que doía não era grave. Bem, desta vez pensei que era igual, fui deixando andar e continuei a tentar engravidar. Fui à ginecologista mas ela não examinou o peito. Em janeiro de 2011 fui a uma consulta com a nova médica de família para pedir exames por causa da gravidez. O meu marido falou sobre o peito, ela pediu para fazer os exames necessários e então foi aí que tudo começou. Os exames já davam bi rad 5, ela reencaminhou para o IPO. Não entrei em choque porque já conhecia a doença por amigas. Na família não tinha nada de cancro, mas o que tem que se ser é muito forte. No dia 27 de abril comecei a fazer quimioterapia forte porque o meu nodulo já estava perto de 6 cm e com uma grande lesão. (…) A 27 de outubro fui operada. Correu bem, encarei bem o meu corpo, não foi fácil mas tinha que encarar bem. (…) No meio disto tudo, a queda do cabelo foi o menos, não me custou porque hoje estou com tantos caracóis e com os cabelos lindos, o meu filho que agora tem 7 anos fez-se um homenzinho e o meu marido foi exemplar. Apesar de ter perdido um feto de poucos dias derivado aos exames que fiz e de agora não poder ter mais nenhum porque entrei na menopausa sem ser nada provocado, dou a minha atenção a eles os dois, porque com esta doença fiquei a dar valor à vida, a ser feliz, mesmo nos momentos maus que hoje passo (…). Fica o meu conselho: mesmo novas temos que ter atenção ao nosso organismo. Alguma coisa de diferente, ir ao médico. Não esperem que desapareça como eu fiz. Se eu tivesse ido a tempo não tinha passado pelo sofrimento. Posso dizer que sofri em felicidade, com garra. Fica aqui o meu testemunho (…). Muita força.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Todas as noites visito esta página para, de alguma forma, não me sentir só neste sofrimento que é perder a mãe (a melhor do mundo) com esta doença...Sara, 43 anos, Mama, 2014Ler mais
  • Decorridos oito anos, ainda consigo trazer para o papel um percurso duro na sua essência mas repleto de força, a força que nos chega das gargalhadas que...Fátima Bernardo, 47 anos, Mama, 2007Ler mais
  • Foi no dia 23 de fevereiro que, após uma mamografia e ecografia mamária, fui confrontada com esta doença. No início fiquei sem reação. Depois veio o...Carla Silva, 38 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Em outubro de 2008, estava grávida de 9 semanas, quando descobri uma massa anormal no peito. Confirmado o diagnóstico, após uma biópsia, fui...Natália Gomes, 37 anos, Mama, 2008Ler mais
  • Cancro - medo, morte, desespero, dor, solidão... Para mim, que me vi confrontada com um cancro de mama, sem qualquer tipo de sintomas numa rotina de...ILIDIARIBEIRO, 50 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Mal eu sabia o que me ia acontecer faz hoje um ano. Tudo começou no início de fevereiro de 2012, primeiro a descoberta do nódulo, o que me deixou logo...Vera Pedro, 34 anos, Mama, 2012Ler mais
Apoios & Parcerias