Voltar

Tamára Isabel Gomes de Sousa

24 anos Estômago, 2012, Familiar
Recentemente guardei a minha mãe no coração, deixando de a poder ver e estar com ela fisicamente, mas guardo-a comigo todos os dias no meu coração e no meu pensamento. Como tal, não gosto de dizer que a perdi, pois sei que estará sempre comigo e a cuidar de mim. Em abril de 2012, foi diagnosticado cancro do estomago à minha mãe. A partir daí, começou um processo bastante “especial”, com muitas emoções, muitas dificuldades, muitas adversidades, mas que nos pode ensinar tanta coisa. A minha mãe é uma verdadeira lutadora, nunca parou de lutar, embora por vezes cansada e com vontade de desistir, levantou sempre a cabeça e nunca desistiu, lutou sempre. E esta mensagem é a que quero partilhar com todas as pessoas que possam estar a passar por esta situação, nunca desistam nem os próprios nem os familiares ou os amigos devem desistir da pessoa que amam. Somos humanos, logo não somos perfeitos e nem sempre agimos de forma correta ou conseguimos exprimir o que sentimos por quem amamos da melhor maneira ou da maneira verdadeira que sentimos, mas digam sempre o quanto amam a esta pessoa que passa por um processo tão complicado, deem toda a força possível, não a deixem desistir, lutem a seu lado o tempo todo, juntos. A minha mãe é a pessoa que mais amo no mundo, a ela e ao meu filhote. Infelizmente, já não posso estar junto dela e a rir olhando nos seus olhos e sentindo o seu carinho junto de mim, mas nunca esquecerei a lição de vida que ela me ensinou, estará sempre comigo. Poderia levar horas a falar dela e do que passamos, pois há tanta coisa a dizer, um infinito de palavras. A todos deixo o meu abraço muito apertado e esperança que consigam vencer esta partida da vida. Deixo muita força, alegria, paz e muitos sorrisos. Mesmo em momentos difíceis sorrimos e estes sorrisos valem muito mais que os outros (…).
Voltar

Outros Testemunhos

  • Em junho de 1998 foi diagnosticado ao meu pai cancro no estômago. Quando soubemos do diagnóstico foi como se o mundo estivesse a desabar sobre nós......sonia ramos, 33 anos, Estômago, 1998Ler mais
  • No mês de dezembro de 2004 o meu pai, que desde as férias de verão estava a emagrecer bastante, ouviu do médico o diagnóstico - Adenocarcinoma...Isabel, 55 anos, Estômago, 2004Ler mais
  • Todos me conhecem por Ive. Continuo a ser a "Ive" que todos conheceram, ainda com alguns medos, mas mais forte e muito mais decidida. Com 34 anos, numa...Ivelice Gonçalves, 38 anos, Estômago, 2009Ler mais
  • Eu sei que não passei pela dor de ter cancro mas e aqueles que assistem à dor daqueles que têm cancro? Eu não estou a dizer que isso é pior... Mas...Cláudia, 14 anos, Estômago, 2007Ler mais
  • O cancro no meu estômago foi descoberto numa visita à minha médica de família. Eu sofria muito de reumatismo e crises de gota... Numa das consultas...Manuel Sousa, 64 anos, Estômago, 2010Ler mais
  • Em abril de 2006, tinha 40 anos, uma gastrite e muito stress na minha vida profissional. O meu médico comunicou-me que eu tinha um tumor maligno...Maria Soares, 49 anos, Estômago, 2006Ler mais
Apoios & Parcerias