Voltar

Tania

23 anos Colo-Rectal (Intestino), 2010, Familiar
No ano de 2008 foi diagnosticado um cancro da mama à minha mãe. Quando a minha irmã me contou eu não queria acreditar... Chorei!! Seguiram-se exames, testes e depois a operação... Correu muito bem, diagnosticado atempadamente, de grau I. Próxima fase, tratamentos de quimioterapia: os enjoos, a queda de cabelo, a ida ao cabeleireiro para rapar a cabeça... Nada a parava, força incrível... Concluídos os tratamentos, havia consultas de rotina... Tudo Ok!!! Até aparecerem umas malditas dores nas costas, que nenhum analgésico dominava... Entrada nas urgências... Nada de mais... Dores nas costas... Até que na oncologia foram pedidos mais exames... Exames inconclusivos, tem que se fazer colonoscopia... Eu sabia que algo de errado se passava, sentia isso, não sei explicar. E o meu medo tornou-se realidade: cancro no intestino... Aquela mulher que parecia que nada a derrubava, perdeu a força e não acreditava que pudesse estar a acontecer aquilo novamente. Era hora de avançar com a operação... Passados 5 dias teve alta do hospital. No 6º dia já sentia as dores nas costas novamente... Ao 8º dia perdeu forças nas pernas e a capacidade de andar. Foi aí que novo diagnóstico surgiu "incontáveis nódulos pulmonares bem visíveis semelhantes com metástases"; metástases no figado... Não era possível... Era um pesadelo. A pior coisa que podemos ouvir é alguém nos dizer que a nossa mãe tem menos de meio ano de vida. Aquele médico está louco, pensei eu. Ele de oncologia não sabe nada... Ao falar com a oncologista diz ela que não há prazos nem calendários... Mas não se percebia ainda o porquê de ela não conseguir andar... Após ressonância magnética mais um abalo: Medula comprimida... Não há nada a fazer, diz o neurologista... São menos de 48 horas... E assim foi... 12 dias após a cirurgia morre a minha mãe... Não queria acreditar quando ouvi aquelas palavras do outro lado da linha... Mas infelizmente era verdade... Todos os segundos penso nela e a saudade é enorme. Mas só espero que ela esteja num lugar bem melhor e sem sofrimento... Força a todos...!
Voltar

Outros Testemunhos

  • Foi algures em meados de junho ou julho que descobrimos. Lembro-me que íamos preparar as coisas para a mudança de habitação na semana seguinte, quando...Sara Raquel, 23 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2007Ler mais
  • Em setembro de 2009 foi-me diagnosticado cancro no intestino, depois de muitos dias de internamento no hospital (...). Em novembro do mesmo ano fui...Celina Rodrigues, 53 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2009Ler mais
  • Boa noite. Por vezes pensamos que nada nos acontece ou a um familiar mas o cancro não escolhe idades, género, religião... e quando vem abala tudo e...Vânia Marques, 26 anos, Colo-Rectal (Intestino)Ler mais
  • O meu Pai foi diagnosticado aos 56 anos, num dia de festa que deveria ter sido muito feliz. Chorei (choramos) tudo o que havia para chorar naquele dia e...Teresa, 31 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2011Ler mais
  • O difícil é começar... O meu pai teve cancro no intestino. Foi operado, tendo ficado durante um ano com um saco (não me recordo do nome que lhe dão)....Sandra Martins, 40 anos, Colo-Rectal (Intestino)Ler mais
  • Sou testemunha não só de cancro colorretal como de cancro no cérebro. O meu pai teve a sorte de morrer com qualidade no IPO (tumor cerebral), mas até...Laura Castanheira, 38 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2006Ler mais
Apoios & Parcerias