Voltar

Teresa Alexandra Gonçalves de Sousa

28 anos Linfoma Não Hodgkin, 2006, Familiar
Infelizmente não sou testemunha de uma história de coragem, fé, otimismo e perseverança. O meu pai, diagnosticado com Linfoma Não-Hodgkin de células T, grau 4, resolveu "enfrentar" a doença com medo, pessimismo e descrença. Mesmo assim, contra todas as expetativas, ultrapassou a doença, deixando marcas permanentes nas pessoas à sua volta. Fica o agradecimento às incansáveis dezenas de profissionais de saúde que nos acompanharam. Às vítimas, fica a mensagem: o descuido e a falta de esperança no vosso sucesso é um desrespeito aos que vos amam, cuidam e lutam por vós.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Olá!Ao ler ‘testemunhos’ fico sensibilizada com a vossa coragem…Mas depois fico a pensar que passei pelo mesmo (...) Só que eu não tive...maria regadas, 66 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2010Ler mais
  • A 11 de setembro de 1999, após uma entrada no Hospital com uma dor torácica, foi-me diagnosticado, após algumas horas de exames, linfoma não Hodgkin,...Fernanda Malanho, 39 anos, Linfoma Não Hodgkin, 1999Ler mais
  • Página em branco, vazia de emoções. À nossa volta ouvimos histórias, vemos casos mas estão à distância de um instante que nos coloca a salvo de...Teresa Viegas, 35 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2015Ler mais
  • Lembro-me perfeitamente... Memórias não me faltam... Mas, atualmente, raramente penso nelas... Não sinto necessidade! O meu único objetivo aqui e agora...Susana, 41 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2004Ler mais
  • Olá, eu tive um linfoma-marginal no pescoço. No início, foi difícil aceitar o diagnóstico, mas por incrível que possa parecer, as primeiras palavras...luis frazao, 45 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2007Ler mais
  • Em novembro de 2006, após sentir há vários dias um enorme cansaço, realizei várias exames e foi-me diagnosticado um linfoma esplénico (não-Hodgkin)....Isabel, 47 anos, Linfoma Não HodgkinLer mais
Apoios & Parcerias