Voltar

Teresa André

50 anos Colo-Rectal (Intestino), 2002, Doente
Em outubro de 2002, tinha 40 anos e comecei a ter fortes dores abdominais. Fui vista por médicos que suspeitaram de gastrite. Fiz uma ecografia que nada acusou. (…) Estive cerca de três dias a fazer medicação para a obstipação e para as dores. Comecei a sentir-me inchar e decidi dirigir-me a um hospital particular que, dado não ter naquele momento disponível nenhum especialista de gastrologia, encaminhou-me para o Hospital. Entrei e de imediato foi diagnosticado cancro do cólon. Passadas umas horas entrei em coma, dada a minha descompensação. Estive dois dias na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) e só depois puderam fazer a cirurgia. Estava de tal modo descompensada que não conseguiram fechar a costura. Voltei de novo para a UCI e dois dias depois voltei à mesa de operações. Na UCI desenvolvi uma septicémia. Estive à morte cerca de 2 semanas. Depois, espantosamente, recuperei. Fui uma mulher de sorte! Sorte por ter sido tratada a tempo! Sorte por ter tido uma equipa médica fantástica! Sorte por ter tido o apoio de todos os profissionais espantosos (…). Regressei a casa, com uma colostomia temporária. Descansei cerca de 1 mês. Depois recomecei a trabalhar a meio tempo e fiz 6 meses de quimioterapia. Tive a sorte de ter uma nutricionista que me ensinou a fazer uma alimentação correta que me ajudou a manter os valores para que nenhuma sessão tivesse de ser adiada. Dois meses depois voltei a ser operada e fiz a reconstrução. Passados 15 dias já estava de novo a trabalhar e a fazer a minha vida normal. Segui o follow up durante 5 anos, primeiro de 6 em 6 meses e depois de ano a ano. Depois continuei a fazer exames (…). Há quase 10 anos que tudo isto aconteceu mas eu não esqueci. No corpo trago as cicatrizes e no coração trago gravadas todas as lembranças daqueles tempos em que tive de reaprender a viver. Com menos força. Com menos velocidade. Aprendi imenso nesse tempo e, sempre que a minha vida entra num ritmo de grande stress, paro e penso naqueles dias. Agradeço diariamente esta segunda oportunidade. Enquanto fiz quimioterapia vi muitos “colegas” de tratamento desaparecerem. Ouvi muitas histórias. Percebi, felizmente, que cada caso é único e que cada pessoa tem a sua história e a sua vida. Por isso nunca pensei de modo negativo. Cada tratamento era menos um. Cada fase era mais uma fase em direção ao dia seguinte. É isso que quero partilhar aqui.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Perdi o meu pai no dia 27 de abril de 2010. Ainda hoje sofro muito com a sua partida, não estava a espera de perder o meu pilar tão cedo e tão depressa,...Sofia, 28 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2010Ler mais
  • Foi diagnosticado um cancro ao meu companheiro. Os médicos aconselharam que fosse operado o mais rápido possível. Tratámos de tudo para que a...Ana S, 41 anos, Colo-Rectal (Intestino)Ler mais
  • O meu Pai foi diagnosticado aos 56 anos, num dia de festa que deveria ter sido muito feliz. Chorei (choramos) tudo o que havia para chorar naquele dia e...Teresa, 31 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2011Ler mais
  • Em Novembro e 2016 foi diagnosticado cancro à minha mãe. Posso dizer que foi sem dúvida o pior dia da minha vida, o mundo desabou,...Vânia, 23 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2016Ler mais
  • Em 2006 o meu pai faleceu com um cancro que, pelo percebo é raro e mortal, sarcoma, mais precisamente lipo-sarcoma. Sou filha única e foram tempos muito...Cristina Madeira, 36 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2007Ler mais
  • Em maio de 2011, o mundo caiu em cima da minha cabeça, os meus pés ficaram sem chão, foi diagnosticado um cancro colo-rectal à minha mãe, com...Lara, 40 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2011Ler mais
Apoios & Parcerias