Voltar

Teresa Porto

29 anos Mama, 2011, Doente
Faz esta semana um ano que recebi uma das piores notícias da vida: tinha cancro de mama. Foi um turbilhão de emoções, de perguntas, enfim, muita coisa. Mas sempre tive a certeza de duas coisas: 1 - não ia deixar-me ir abaixo facilmente; 2 - ia fazer tudo o que os médicos mandassem direitinho e a coisa iria resolver-se bem. Todo o meu processo foi rápido por ser considerada doente de alto risco, por ter 28 anos e o tumor ter cerca de 8 cm. Encarei sempre os tratamentos como um caminho de cura, em vez de uns “monstros” de que toda a gente fala com medo e isso permitiu-me passar por todos eles sem grandes dramas. Em dezembro comecei a quimioterapia, deixei de trabalhar (por ordem médica) e enfrentei o touro pelos cornos. Posso-vos dizer que no meu caso foram 4 meses e que o cenário não foi tão mau como se pode pensar da quimioterapia. Mas o cabelo lá foi à vida. O tumor era mesmo ruim e depois da quimioterapia tive que fazer radioterapia durante 33 dias, antes de finalmente ser operada. Até que dia 9 de julho fui finalmente operada! Fiquei sem a mama toda, mas quando acordei já tinha uma nova (as maravilhas da medicina moderna e as mãos fantásticas de um cirurgião do IPO fazem milagres) e estava pronta pra começar uma nova etapa, sem o maldito tumor. Terei que ter cuidados com o braço que ficou sem gânglios linfáticos para o resto da vida, mas é um mal menor! Em agosto recebi a primeira boa notícia! A análise ao (que restava do) tumor e aos 22 gânglios linfáticos que me tiraram da axila foram ótimas. Os gânglios não tinham células tumorais e o tumor estava quase todo morto pela quimioterapia e radioterapia. Agora é só tomar um comprimido por dia durante os próximos 5 anos para prevenir o aparecimento de outro tumor na mama que ainda tenho e continuar a minha vida normal. Neste ano tive muito apoio, muito carinho de todos os que sabiam o que se passava. Longe ou perto, a família e os amigos foram o meu porto de abrigo e o combustível para não me ir abaixo ou entrar em pessimismos. Encarei sempre tudo como uma fase, que iria passar e pronto. Só poderei dizer que estou livre daqui a 4 anos, mas o pior já passou. (…) O sorriso nunca se desvaneceu porque ele dava-me força e dava confiança a todos os que me viam (…). Estou e sou feliz, o pior já passou! E por favor lembrem-se: o cancro de mama é fácil de tratar quando é detetado cedo (como no meu caso) e não é uma sentença de morte! É apenas uma doença como outra qualquer!
Voltar

Outros Testemunhos

  • A primeira vez que ouvi a palavra cancro tinha onze anos e foi quando perdi o meu pai. Estávamos em 1975 e na época o cancro era chamado de "doença...margarida ferreira, 51 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Em junho de 1991, depois de uma mamografia, por causa de um pequeno “altinho” na parte inferior da mama esquerda, que teimava em não desaparecer, li no...Gabriela, 57 anos, Mama, 1991Ler mais
  • Em 2002 foi-me detetado um cancro da mama, onde me foi feita uma mastectomia total direita. Logo ao extraírem a mama foi-me colocado o expansor e passado...Isabel Boleto, 51 anos, Mama, 2002Ler mais
  • A todos aqueles que percorreram o caminho mais sinuoso do mundo... A todos aqueles que o estão a percorrer... A todos aqueles que o irão percorrer......Adília Carvalho, 50 anos, Mama, 1997Ler mais
  • Bom dia. Venho dar coragem a todos os doentes que estão a passar por esta doença sem aviso porque, felizmente, tenho uma tia que teve cancro da mama em...Anonimo, 42 anos, Mama, 2007Ler mais
  • Poupo-vos os detalhes, o susto, o sofrimento, enfim tudo aquilo por que passam todos os que são confrontados com um qualquer tipo de cancro. A minha...anónimo, 55 anos, Mama, 2009Ler mais
Apoios & Parcerias