Voltar

VANIA MONICAMAGALHAES FERREIRA

28 anos Mama, 2010, Doente
Olá, sou a Vânia e espero que com o meu testemunho possa ajudar algumas pessoas! Numa manhã, quando me espreguiçava ao sair da cama encontrei um papinho na mama. A minha cabeça ficou a andar a mil, o que será isto? Foi a pergunta que ficou a pairar todo o dia. Fui ao médico, fiz exames e estava tudo bem, só tinha que fazer uma biópsia para ter a certeza do que era mas estava tudo bem. Na consulta com o médico da especialidade, este diz que não era preciso fazer biópsia mas que fico na lista de espera para tirar o papinho (que fica mesmo por debaixo da mama) para não me incomodar. Pois passa uma semana, e outra e mais outra e nada! Ninguém me chama. Com o tempo a passar, o papinho começou a ficar escuro! Preocupada procurei outra vez o médico da especialidade que quando me viu ficou admirado. Fui operada no dia a seguir, com uma certa urgência. Quando falei com o médico sobre a operação ele diz que correu tudo bem, mas que estava preocupado porque o papinho (nódulo) já estava a ficar podre! Dias de curativos, uns atrás dos outros mas, para ser sincera, nunca pensei em cancro. Fiquei à espera dos resultados e nunca mais chegavam. Aí a preocupação começou a crescer, o medo começou a invadir os meus dias. Finalmente chegaram os resultados: cancro grau 3. Caiu uma bomba! "Mas como pode ser?" foi a primeira pergunta. Os resultados demoraram porque devido à minha idade é raro ter cancro da mama, por isso demoraram tanto os resultados dos exames. Ok! E agora o que faço? Sou mãe, tenho três filhotes (um menino com 6 anos e um casal de gêmeos com 1 ano), sou esposa, dona de casa… Tive que ser operada outra vez, tudo correu bem. Fiz quimioterapia e agora estou a fazer radioterapia. No meio deste furacão que caiu na minha vida fiquei a ganhar, nunca a perder, tomo conta dos meus filhos com ajuda dos meus familiares porque sozinha nunca conseguiria. Todos os dias me deito a pensar que este dia já era, agora só espero pelo de amanhã. A minha força veio dos meus filhos, precisam de mim, só esse pensamento fez com que nunca me deixasse atormentar pela doença. Temos que lutar pela nossa vida e pensar que de alguma maneira fazemos falta aos outros. Por isso peço, a quem esteja a ler este testemunho, seja doente, familiar, não se deixem desmotivar, isto apenas é um capítulo das nossas vidas. Desejo as melhoras para todos! Um bem-haja!
Voltar

Outros Testemunhos

  • Quero falar de vida!Em 2004 foi-me diagnosticado cancro da mama. E pensei - e agora? Depois de algumas lágrimas argumentei comigo: tens um problema- ...madalena Santos, 56 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Em junho de 1991, depois de uma mamografia, por causa de um pequeno “altinho” na parte inferior da mama esquerda, que teimava em não desaparecer, li no...Gabriela, 57 anos, Mama, 1991Ler mais
  • No dia 9 de março de 2012 foi-me diagnosticado um cancro da mama. Nesse dia parecia que tinha chegado o fim de tudo, que tinha chegado a minha hora mas tal...Vera Pedro, 34 anos, Mama, 2012Ler mais
  • Foi precisamente há 4 anos que foi diagnosticado cancro da mama na minha mãe. Quando soube nem queria acreditar, o meu coração caiu, senti um enorme...Carmen Iglesias, 22 anos, MamaLer mais
  • Em janeiro de 2005 apercebi-me de um inchaço na mama esquerda, consultei o médico (…). Fiz anti-inflamatórios, antibióticos, mas nada, até que...Sandra Santos, 43 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Aos 58 anos, numa mamografia de rotina, foi-me diagnosticado cancro de mama. Fui operada no dia em que fiz 59 anos. Fui muito acarinhada por todo o pessoal...maria, 61 anos, Mama, 2008Ler mais
Apoios & Parcerias