Voltar

Vera Fernandes

34 anos Mama, 2013, Doente
Fui diagnosticada com cancro inflamatório da mama, em dezembro de 2013. Com uma filha de 3 anos e meio, não me restou senão arregaçar as mangas e encarar o cancro com a coragem que todos temos (e às vezes nem sabemos que temos). O cancro inflamatório da mama é um cancro raro e agressivo. É facilmente mal diagnosticado e, no meu caso, demorei uns 2 meses até iniciar tratamento. Fiz quimioterapia por 6 meses, depois veio a mastectomia, a radioterapia, a imunoterapia e agora faço hormonoterapia. Tive direito ao pack completo e estou feliz que assim seja. Não fiz ainda a reconstrução da mama e não sei se farei. Na altura devida, logo se decidirá. No fundo, queria apenas transmitir que, mesmo com um cancro raro, não desesperem. Eu estou aqui, sem sinais de recidiva, com esperança de vencer as estatísticas, de ver a minha filha crescer e de ser feliz.
Voltar

Outros Testemunhos

  • A primeira vez que ouvi a palavra cancro tinha onze anos e foi quando perdi o meu pai. Estávamos em 1975 e na época o cancro era chamado de "doença...margarida ferreira, 51 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Em fevereiro de 2011, foi-me diagnosticado cancro da mama. Nunca pela cabeça me passou que iria morrer, não podia, tenho duas filhas e um marido...Ana Rosa, 44 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Ao fim da tarde de 24 de dezembro de 2004, fiquei a saber que tinha cancro da mama. Um “belíssimo” presente de Natal! Fiz mastectomia, quimioterapia...Cláudia, 46 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Há 7 anos, ao fazer a depilação nas axilas, detetei que algo não estava bem, embora não conseguisse fazer a palpação do nódulo. Fui no mesmo dia ao...Isabel Coelho, 56 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Em janeiro de 2008, eu e a minha mulher estávamos super felizes. Descobrimos que ela estava grávida do nosso segundo filho. Tínhamos tido o primeiro em...hugo santos, 29 anos, Mama, 2008Ler mais
  • Em junho de 1991, depois de uma mamografia, por causa de um pequeno “altinho” na parte inferior da mama esquerda, que teimava em não desaparecer, li no...Gabriela, 57 anos, Mama, 1991Ler mais
Apoios & Parcerias