Voltar

Ana

28 anos Mama, 2012, Familiar
Lido com o cancro desde a minha adolescência. Nunca tive cancro, mas tive dois familiares próximos que infelizmente morreram com cancro de pulmão, no entanto, a imagem que tenho deles é de luta, foram uns verdadeiros lutadores e morreram com um sorriso nos lábios, ambos transmitiram-me grandes ensinamentos. Já na minha juventude decidi que queria seguir a carreira científica e fazer investigação em oncologia, e consegui, sinto-me como que a dar pequenos contributos diários para a cura e detecção precoce desta doença. Não quero ser reconhecida pelo que faço, quero saber que ajudo de alguma forma, é para isso que trabalho. Quando pensava que 'a minha dose de cancro' tinha passado, e que agora a minha ligação a esse mundo se resumia ao meu trabalho, eis que o mundo novamente desaba. Em Março de 2012, numa acção de rastreio promovida pela Liga Portuguesa Contra o Cancro foi diagnosticado um cancro da mama à minha mãe. O primeiro impacto é indescritível, a incerteza de um diagnóstico preciso, quais os tratamentos, na realidade quais as possibilidades, é todo um mundo de incertezas. Foi muito difícil para todos nós, especialmente para ela que sempre foi o pilar da nossa família, que sempre acarretou com todos os nossos problemas. E então? Olhar em frente, ver o que é necessário fazer e lutar, sempre lutar, dar-lhe ânimo porque agora é ela que precisa de nós. A minha mãe foi operada, fez esvaziamento axilar, quimioterapia, radioterapia (que terminou à um mês) e terá de fazer terapia hormonal durante cinco anos. É uma guerreira, teve dias de grande depressão e melancolia, é verdade, mas com a ajuda de todos que a rodearam conseguiu reerguer-se. E eu? Posso dizer-vos que todas estas situações me marcaram, mas que sinto que de cada uma delas saio fortalecida. Lição final, nunca desistir, dar o nosso melhor e fazer o que está ao nosso alcance para ajudar e nos ajudar. Hoje sou eu, amanhã podes ser tu, não vires as costas a este problema, se ele existe só tens de o encarar de frente.
Voltar

Outros Testemunhos

  • No dia 27 agosto de 2010 cheguei a casa do trabalho e verifiquei que tinha líquido no meu mamilo direito. Fui fazer os exames e no dia 30 setembro foi-me...Fernanda Ferreira, 39 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Em junho de 1991, depois de uma mamografia, por causa de um pequeno “altinho” na parte inferior da mama esquerda, que teimava em não desaparecer, li no...Gabriela, 57 anos, Mama, 1991Ler mais
  • Conheci o cancro na primeira pessoa há um ano atrás. Há um ano e um mês que convivo diariamente com ele, trato-o por tu, mas recuso-me a deixar que ele...Anita Chouriço, 39 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Chamo-me Eduardo Marques. 38 anos. Vendedor. Um homem, como outro qualquer. Com uma diferença para muitos outros, que o torna menos igual entre iguais -...Eduardo Marques, 38 anos, Mama, 2013Ler mais
  • Quando estamos perante o diagnóstico de cancro, em nós ou nos nossos entes queridos, tudo à nossa volta parece desmoronar-se e subitamente sentimo-nos...Maria, 55 anos, Mama, 2010Ler mais
  • Caiu uma bomba! Não sei exatamente o dia, sei que era um sábado antes do dia do Pai! Primeiro neguei até conseguir uma confirmação do que vinha no...Joana, 38 anos, Mama, 2015Ler mais
Apoios & Parcerias