Voltar

Ana

28 anos Mama, 2012, Familiar
Lido com o cancro desde a minha adolescência. Nunca tive cancro, mas tive dois familiares próximos que infelizmente morreram com cancro de pulmão, no entanto, a imagem que tenho deles é de luta, foram uns verdadeiros lutadores e morreram com um sorriso nos lábios, ambos transmitiram-me grandes ensinamentos. Já na minha juventude decidi que queria seguir a carreira científica e fazer investigação em oncologia, e consegui, sinto-me como que a dar pequenos contributos diários para a cura e detecção precoce desta doença. Não quero ser reconhecida pelo que faço, quero saber que ajudo de alguma forma, é para isso que trabalho. Quando pensava que 'a minha dose de cancro' tinha passado, e que agora a minha ligação a esse mundo se resumia ao meu trabalho, eis que o mundo novamente desaba. Em Março de 2012, numa acção de rastreio promovida pela Liga Portuguesa Contra o Cancro foi diagnosticado um cancro da mama à minha mãe. O primeiro impacto é indescritível, a incerteza de um diagnóstico preciso, quais os tratamentos, na realidade quais as possibilidades, é todo um mundo de incertezas. Foi muito difícil para todos nós, especialmente para ela que sempre foi o pilar da nossa família, que sempre acarretou com todos os nossos problemas. E então? Olhar em frente, ver o que é necessário fazer e lutar, sempre lutar, dar-lhe ânimo porque agora é ela que precisa de nós. A minha mãe foi operada, fez esvaziamento axilar, quimioterapia, radioterapia (que terminou à um mês) e terá de fazer terapia hormonal durante cinco anos. É uma guerreira, teve dias de grande depressão e melancolia, é verdade, mas com a ajuda de todos que a rodearam conseguiu reerguer-se. E eu? Posso dizer-vos que todas estas situações me marcaram, mas que sinto que de cada uma delas saio fortalecida. Lição final, nunca desistir, dar o nosso melhor e fazer o que está ao nosso alcance para ajudar e nos ajudar. Hoje sou eu, amanhã podes ser tu, não vires as costas a este problema, se ele existe só tens de o encarar de frente.
Voltar

Outros Testemunhos

  • (...) Estava envolvida num projecto profissional intenso em Lisboa, faltava-me tempo para parar e pensar... Mas estava muito assustada com o nódulo no...Fernanda Simões, 46 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Conheço de perto a realidade do cancro, concretamente do cancro da mama, uma vez em que em casa tenho uma pessoa muito próxima, a minha avó paterna, que...Diogo Campos, 18 anos, Mama, 1992Ler mais
  • Com apenas 28 anos de idade, em agosto de 2005, num autoexame descobri um pequeno caroço que se veio a confirmar ser um carcinoma. Como podem calcular foi...Gisela Marmelo, 34 anos, Mama, 2005Ler mais
  • Venho por este meio deixar o meu testemunho e pedir a quem sofre deste tipo de doença, que vem sem avisar e se instala sem nós estarmos preparados, que...Manuela Miller, 47 anos, Mama, 1998Ler mais
  • Tudo começou com o auto exame, numa manhã de junho quando tinha 45 anos.Detetei um caroço na axila esquerda. De imediato fui ao meu médico, pois...Maria Silva, 59 anos, Mama, 1999Ler mais
  • Antes de mais, olá a todas(os)! Quero deixar o meu testemunho para que saibam que pensamento positivo e atitude positiva podem e fazem a diferença! Nunca...Verónica Domingos, 25 anos, Mama, 2013Ler mais
Apoios & Parcerias