Voltar

Janine Pinto

27 anos Linfoma Hodgkin, 2018, Doente
Eu que sempre gostei de estar com os meus amigos e poder ir a um bar e beber um copo, de um momento para o outro fiquei intolerante ao álcool. Mal sentia o cheiro, sentia uma dor horrível no peito e tinha imensas dificuldades de respiração, até que isso me aconteceu exatamente na rua. Fui de urgência para o hospital e foi me dito que seria stress e fui medicada (Como não acreditei no diagnóstico, nem tomei nada). Voltei mais umas 2 vezes ao hospital e nunca me fizeram exames e diziam sempre o mesmo, isto em 2016. Até que em 2018 as minhas plaquetas disparam de forma absurda, aparecem me uns gânglios nas virilhas e eu já me sentia cansada há algum tempo (mas achava que era do exercício físico que tinha aumentado). Logo na primeira consulta e pelos sintomas, a médica disse me friamente, como quem diz "tens uma constipação", disse-me "isso é um linfoma, e se és intolerante ao álcool há dois anos, já o deves ter a esse tempo sem ter sido diagnosticado". Pois bem, após 3 biópsias e mil exames, confirmou-se o pior, linfoma Hodgkin com metástases junto ao pulmão direito, o que me levou a fazer 3 ciclos de quimioterapia e radioterapia. Naquele momento fiquei sem chão, senti-me revoltada por as coisas terem chegado aquele ponto e nunca ninguém ter detetado, mesmo quando eu ia de urgência. Ao mesmo tempo, tenho que estar agradecida pela médica que sempre tive e tenho comigo, que é excelente.
Chorei muito no primeiro dia, perguntava-me "porquê eu? Porquê com 26 anos? O que é que me vai acontecer?" Mas depois lembrei-me de um dos meus lemas de vida "tudo acontece por um motivo" por isso aquela foi a única vez que me caíram as lágrimas, eu ergui a casa e jurei que ia conseguir!
A quimioterapia foi um pouco dolorosa (…). Mas sempre fiz questão de demonstrar que estava tudo bem, porque sabia que a minha família precisava de mim, então nunca me queixei uma única vez. Eles já estavam a sofrer tanto, que se soubessem que eu estava com dores, desconforto, efeitos secundários dos tratamentos, o sofrimento aumentava. Fiz questão de descomplicar e vencer, esse era o meu principal objetivo. Mas a verdade é que depois de tudo, estou aqui, mas eles deixaram-me muitas marcas... marcas essas que podem-me acompanhar para a vida.
Agora é aprender a viver com as sequelas com que fiquei, aprender a viver sem fazer coisas que fazia e a fazer coisas que não fazia. Faz parte, mas a vida é mesmo assim, uma aprendizagem constante e eu estou viva e feliz por isso!
 
Voltar

Outros Testemunhos

  • Em setembro de 2013, foi-me diagnosticado um linfoma de Hodgkin. Nos primeiros tempos, não tinha caído em mim e pensava: “Isto está mesmo a...Filipe Costa, 23 anos, Linfoma Hodgkin, 2013Ler mais
  • Tinha eu 16 anos quando soube que o meu pai estava doente. Foi-lhe detetado um linfoma de Hodgkin e passei momentos bastante complicados. A cada dia que...Pedro Lemos, 19 anos, Linfoma Hodgkin, 2008Ler mais
  • Tudo começou numa tarde de calor, em que estava com um grupo de amigos e o meu namorado no rio.Na manhã seguinte, ao acordar, apalpei um diminuto...Débora Faria, 22 anos, Linfoma Hodgkin, 2014Ler mais
  • Julgo que a minha história poderá ajudar alguém doente e a sua família e também a demonstrar que o cancro não...Paulo Batista, 54 anos, Linfoma Hodgkin, 2006Ler mais
  • Tenho 19 anos e estou doente. Em julho de 2011, pensava eu que ia ter umas férias de verão tranquilas junto dos meus amigos, a apanhar banhos de sol e a...Eduardo Lopes, 19 anos, Linfoma Hodgkin, 2011Ler mais
  • Em fevereiro de 2005, devido a uma dor que sentia numa axila, fui ao médico, que na altura optou por fazer uma ecografia seguida de biópsia, em que foi...Vera Baltar, 31 anos, Linfoma Hodgkin, 2005Ler mais
Apoios & Parcerias