Voltar

Maria do Rosário Santos Abreu Vivaldo

45 anos Colo-Rectal (Intestino), 2010, Doente
Em fevereiro de 2010 foi-me diagnosticado um adenocarcinoma da sigmoideia, ou seja, um tumor maligno no intestino, a 12 cm do reto, através de uma colonoscopia. Apesar de não ter antecedentes familiares, e deste tipo de cancro não ser muito comum em mulheres da minha idade, tive um pressentimento de que alguma coisa não estava bem. Depois dos piores 3 anos da minha vida, com a morte repentina da minha mãe, um atribulado processo de divórcio, mudança de casa e mudança de profissão, estava finalmente a entrar num período mais calmo e comecei a aperceber-me de que ia muitas vezes à casa de banho por ter a sensação de “intestino cheio”. Tinha também perdido cerca de 5 quilos, que atribuía ao stress dos últimos anos. Queixei-me à minha médica de clinica geral que, em boa hora, me mandou fazer a colonoscopia. Na operação, realizada por laparoscopia, foi retirado todo o tumor e 16 gânglios linfáticos, 4 deles afetados pelo tumor. A recuperação foi rápida. Não cheguei a estar um mês de baixa. Depois comecei a fazer quimioterapia, que durou 6 meses, através de um cateter colocado no peito por meio de uma pequena intervenção cirúrgica com anestesia local. Correu tudo bem... bem melhor do que eu poderia imaginar. Quando nos dão a notícia de que temos cancro, é realmente um grande choque. Passamos a vida a ouvir histórias terríveis de outros casos e a pensar “E se fosse comigo? Eu não aguentava! E a quimio? Que horror!” e de repente está a acontecer-nos a nós. É mais difícil para quem tem filhos menores como eu, que dependem de mim completamente. Quando tive a minha primeira conversa com o médico, estava toda armada em forte e só fraquejei quando falei das filhas. Durante todo o processo tive o apoio de algumas amigas fantásticas e estive sempre muito optimista. A minha médica de quimioterapia chegou a pedir-me para falar com uma doente mais assustada, para a animar. Ainda continuo bastante otimista e confiante de que vou ficar completamente curada. Quero deixar este testemunho para que mais mulheres façam um diagnóstico precoce desta doença que é silenciosa e quase não tem sintomas.
Voltar

Outros Testemunhos

  • O meu testemunho não tem um final feliz, mas não queria deixar de homenagear a coragem de um pai que mesmo contra todos os diagnósticos nunca acreditou...Andreia Pires, 29 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2010Ler mais
  • O fim do mundo para mim aconteceu no dia 26 de Abril de 2008... Foi diagnosticado à minha mãe uma neoplasia primária oculta com metastização...Andreia Rocha, 31 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2008Ler mais
  • Foi-me diagnosticado cancro do cólon rectal em Maio de 2017.Iniciei quimioterapia - injectável e via oral - em Junho desse ano e...Anónimo, 57 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2017Ler mais
  • Aos 17 anos eu e a minha irmã fizemos um teste genético devido aos vários casos de cancro do intestino na família. Aí foi...Lúcia Marçal, 26 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2014Ler mais
  • Em 2006 o meu pai faleceu com um cancro que, pelo percebo é raro e mortal, sarcoma, mais precisamente lipo-sarcoma. Sou filha única e foram tempos muito...Cristina Madeira, 36 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2007Ler mais
  • Foi algures em meados de junho ou julho que descobrimos. Lembro-me que íamos preparar as coisas para a mudança de habitação na semana seguinte, quando...Sara Raquel, 23 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2007Ler mais
Apoios & Parcerias