Voltar

sofia

30 anos Linfoma Não Hodgkin, 2010, Familiar
Olá a todos... Lia os testemunhos anteriores e revia a minha história. Não importa que tipo de cancro é ou que diagnostico tem, a dor e forma de lutar, essas sim, são iguais. Desde agosto de 2010 que via o meu pai ser acometido por faltas de ar, má disposição e emagrecimento quase vertiginoso. Depois de ter gritado com ele, lá foi ao médico fazer os exames. Ao mesmo tempo, várias noites seguidas corria com ele para o hospital porque as dores eram insuportáveis. Veio o diagnóstico e a cruel dúvida passou a certeza, linfoma não-hodgkin com neoplasia gástrica. Havia esperança que ele se recuperasse apesar de tudo o que os médicos diziam. Havia o risco de perfuração do estômago com o avançar da quimioterapia. E foi isso que acabou por acontecer. Nesse dia ia morrendo nos meus braços em casa mas ainda não era a sua hora. Um mês passou no hospital, fizeram a extração do estômago, parte do pâncreas e baço, mas o tumor estava metastizado também nos pulmões e nos rins. Lembro com frequência a cara que ele fez quando na primeira sessão de quimioterapia, ao receber a merenda viu que tinha lá uma barra de chocolate... Os seus olhos brilharam… O meu pai perdeu a sua luta no dia 4 de janeiro deste ano, foi a perda mais dolorosa que alguma vez tive que experienciar, mas sei que há-de estar a olhar por mim. A todos os doentes, familiares e amigos mando um abraço muito forte de coragem e não desistam da vida.
Voltar

Outros Testemunhos

  • Boa tarde! Sou a filha de uma mulher ribatejana, de 55 anos, a quem foi diagnosticado, no passado agosto, um Linfoma Não Hodgkin de grandes células (na...Ana Oliveira, 30 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2012Ler mais
  • Sou a Ana Margarida Dinis, tenho 37 anos, 2 filhos e uma família fantástica... No meu caso, saber o que era “aquilo que eu tinha” foi um alívio......Ana Dinis, 36 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2012Ler mais
  • Quando me foi diagnosticada a doença, a questão que coloquei imediatamente ao médico foi a de saber o que é que se tinha de fazer para atacar...Carlos Pereira, 49 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2000Ler mais
  • Olá, eu tive um linfoma-marginal no pescoço. No início, foi difícil aceitar o diagnóstico, mas por incrível que possa parecer, as primeiras palavras...luis frazao, 45 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2007Ler mais
  • Olá!Ao ler ‘testemunhos’ fico sensibilizada com a vossa coragem…Mas depois fico a pensar que passei pelo mesmo (...) Só que eu não tive...maria regadas, 66 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2010Ler mais
  • Infelizmente não sou testemunha de uma história de coragem, fé, otimismo e perseverança. O meu pai, diagnosticado com Linfoma Não-Hodgkin de células...Teresa Sousa, 28 anos, Linfoma Não Hodgkin, 2006Ler mais
Apoios & Parcerias