Voltar

Vânia

23 anos Colo-Rectal (Intestino), 2016, Familiar
Em Novembro e 2016 foi diagnosticado cancro à minha mãe. Posso dizer que foi sem dúvida o pior dia da minha vida, o mundo desabou, fiquei sem chão, sem ânimo seja para o que for, acho que só quem ouve de um médico “a sua mãe tem cancro” sabe os efeitos que isso tem em nós!
Os dias que se seguiram foram horríveis, a minha família ficou completamente perdida, sem rumo e sem saber qual o passo a dar a seguir.
No que diz respeito ao atendimento médico, foi tudo muito rápido, na mesma semana tivemos logo a primeira consulta, fomos recebidas por pessoas excelentes, profissionais impecáveis e que sabem exatamente aquilo que precisamos de ouvir para levantar a cabeça, arregaçar as mangas e começar a lutar.
Assim foi, começamos a enfrentar a doença de frente, com receio, mas sem medo. Metade da cura desta maldita doença está relacionada com o estado psicológico do doente, pelo que eu e toda a família tentamos diariamente transmitir à minha mãe que o cancro não vai ser mais forte do que ela, que não vai passar de uma fase má nas nossas vidas, uma vivência que vai ter um final feliz. E acreditem, isso reflete-se na maneira como a minha Mãe está a enfrentar a doença, está sempre com um sorriso, com uma força enorme para lutar e, quando as pessoas ligam a perguntar como é que ela se encontra no fim de mais um dia de tratamentos, fico cheia de orgulho quando a ouço responder “Eu vou ser mais forte, eu vou vencer”!
Sei que a nossa luta ainda está a começar, que ainda vamos ter muito pela frente, mas eu só quero transmitir ás pessoas que acabaram de receber a noticia de que o cancro entrou na vida delas que agora no exato momento em que a noticia chega, ficamos sem nada, perdidos e a achar que a nossa vida acabou, mas é necessário enfrentar a doença de frente, não baixar a cabeça e lutar, acreditar que é possível ganhar esta batalha. Gostava de transmitir aos familiares da pessoa com o problema, que não o abandonem, que façam desta luta uma luta vossa também, mostrem que estão ao seu lado sempre, nos dias bons e nos dias maus, porque não é uma luta só do doente, mas sim de todos aqueles que o amam!
Voltar

Outros Testemunhos

  • Aos 17 anos eu e a minha irmã fizemos um teste genético devido aos vários casos de cancro do intestino na família. Aí foi...Lúcia Marçal, 26 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2014Ler mais
  • A 3 de janeiro de 2006, depois de ter acordado de uma endoscopia alta e toque rectal, a que fui submetida, na sequência de várias dores e comportamentos...Manuela Amaral, 58 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2006Ler mais
  • Corria o ano de 2005 e tinha ultrapassado as seis décadas de existência de uma vida com altos e baixos, mas globalmente positiva. Estava reformado, após...José Neves, 65 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2005Ler mais
  • Nestes quase dois anos aprendi a aceitar a minha doença mas não me deixei consumir por ela. Sou uma mulher feliz, na mesma, mãe de dois...Alexandra Guterres, 43 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2014Ler mais
  • Olá, chamo-me Solange e venho falar do meu pai que foi doente oncológico. Foram dois anos de muita luta, tenho poucas palavras para exprimir, ou saber...solange vaz, 32 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2009Ler mais
  • Tenho 37 anos e sou mãe de um rapaz de 11 anos que é a minha vida! Mas há 16 meses atrás tudo mudou quando me foi diagnosticado um adenocarcinoma no...olívia silva, 37 anos, Colo-Rectal (Intestino), 2010Ler mais
Apoios & Parcerias