Voltar

Vera Pereira

29 anos Mama, 2006, Familiar
Foi em 2006 que foi diagnosticado à minha mãe um cancro maligno da mama. O choque da notícia foi enorme mas com muito apoio da minha parte, ela superou este choque e ganhou forças para realizar a mastectomia total. Depois da primeira operação teve de ser submetida novamente a cirurgia, pois ainda existia uma recidiva. Mais uma vez contou com o meu apoio e nunca quis fazer reconstrução com receio de rejeição. Começou então a ser seguida no serviço de Oncologia, tendo diversas consultas, tratamentos de radioterapia e injetáveis devido às metástases presentes nos ossos. Até há 2 anos tudo andava bem, até que as entradas nas urgências do Hospital começaram a ser constantes. Nesta altura andava eu grávida do meu filho e uma médica disse-me, com algum receio devido ao meu estado, que o caso era mais grave do que eu pensava pois o cancro já se tinha espalhado. Em junho de 2011, depois do dia de aniversário da minha mãe, ela teve de dar entrada novamente no Hospital e o médico das urgências disse-me que no máximo lhe dava 6 meses de vida. Isto, claro, foi um choque porque pensei que ela já tinha superado a parte pior. A partir daí foi o contar dos meses, dos dias e das horas. O estado dela piorou de tal maneira que em casa não lhe conseguia controlar as dores e teve de ficar internada sob o olhar atento dos médicos dos Cuidados Paliativos. Estes médicos conseguiram arranjar uma vaga nos Cuidados Paliativos do IPO e foi lá que ela acabou por falecer. No seu último mês de vida teve toda a assistência que necessitava para que não tivesse dores. Mas o meu sofrimento aumentava a cada dia que passava com o receio que o telefone tocasse a dar a notícia que tinha falecido. Pois isto aconteceu no dia 8 de dezembro de 2011 pelas 12h30. Foi um choque e uma etapa muito difícil de ultrapassar porque toda a minha vida foi sempre passada ao lado dela, visto que nunca tive um “pai presente”. Acho que a minha força para superar tudo isto é o meu filho que, embora pequeno, está sempre do meu lado para me animar. Boa noite. O meu nome é Vera e venho, por este meio, apresentar o meu testemunho da minha vivência com o cancro. Foi em 2006 que foi diagnosticado à minha mãe um cancro maligno da mama. O choque da notícia foi enorme mas com muito apoio da minha parte ela superou este choque e ganhou forças para realizar a mastectomia total. Depois da 1ºoperação teve de ser submetida novamente a cirúrgia pois ainda existia uma recidiva. Mais uma vez contou com o meu apoio e nunca quis fazer reconstrução com receio de rejeição.Começou, então a ser seguida no serviço de Oncologia do Hospital de São João, tendo diversas consultas, tratamentos de radioterapia e injectáveis devido às metástases presentes nos ossos. Até à 2 anos tudo andava bem, até que as entradas nas urgências do Hospital de São João começaram a ser constantes. Nesta altura andava eu grávida do meu filho e uma médica disse-me, com algum receio devido ao meu estado, que o caso era mais grave do que eu pensava pois o cancro já se tinha espalhado. Em Junho de 2011, depois do dia de aniversário da minha mãe, ela teve de dar entrada novamente no Hospital e o médico das urgências disse-me que no máximo lhe dava 6 meses de vida. Isto, claro, foi um choque porque pensei que ela já tinha superado a parte pior.A partir daí foi o contar dos meses, dos dias e das horas... O estado dela piorou de tal maneira que em casa não lhe conseguia controlar as dores e teve de ficar internada no São João sobre o olhar atento dos médicos dos Cuidados Paliativos (Dr. Conceição e Dr. Carlos).Estes médicos consegiram arranjar uma vaga nos Paliativos do IPO-Porto e foi lá que ela acabou por falecer. No seu último mês de vida teve toda a assistência que necessitava para que não tivesse dores. Mas o meu sofrimento aumentava a cada dia que passava com o receio que o telefone tocasse a dar a notícia que tinha falecido. Pois isto aconteceu no dia 8 de Dezembro de 2011 pelas 12h30. Foi um choque e uma etapa muito difícil de ultrapassar porque toda a minha vida foi sempre passada ao lado dela visto que nunca tive `pai presente`. Acho que a minha força para superar tudo isto é o meu filho que, embora pequeno, está sempre do meu lado para me animar.Aproveito desde já para agradecer a todos os médicos e enfermeiros do Hospital de São João e também aos médicos e enfermeiros dos Cuidados Paliativos do IPO-Porto que fizeram de tudo para que ela tivesse uma partida o mais descansada e sem dores possível.OBRIGADAVera
Voltar

Outros Testemunhos

  • A primeira vez que ouvi a palavra cancro tinha onze anos e foi quando perdi o meu pai. Estávamos em 1975 e na época o cancro era chamado de "doença...margarida ferreira, 51 anos, Mama, 2004Ler mais
  • Em outubro de 2010 deixei de tomar a pílula para ter outro filhote. Passados alguns dias, no meu trabalho, que era ser operadora de ordenha, senti uma dor...SOFIA FERNANDES, 30 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Tinha 30 anos, uma vida inteira pela frente e a certeza de que iria ver a minha filha, que na altura tinha 2 anos, a crescer. Um dia, no duche, senti um...Ana Marques, 32 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Eu tive cancro de mama. Quando soube, foi como se se abrisse um poço sem fundo, mas consegui com a força de amigos e família. Por isso, digo a quem tem...Graciete Santos, 38 anos, Mama, 2011Ler mais
  • Foi há 2 anos que o diagnóstico chegou. Estávamos em outubro de 2009. A minha vida tentava encontrar o equilíbrio perdido devido a um divórcio no ano...Filomena Crespo, 46 anos, Mama, 2009Ler mais
  • Deixo aqui muita força a todos aqueles que estão a passar por esta experiência.anabela franco, 54 anos, Mama, 2009Ler mais
Apoios & Parcerias